Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Datafolha: 61% são contra o voto obrigatório! Ótima notícia!

Pesquisa Datafolha feita na quarta e na quinta mostra que 61% dos eleitores brasileiros são contra o voto obrigatório. É uma coisa boa em si. Só não escrevo que é um “bom sinal” porque isso necessariamente quereria dizer que vejo aí um sintoma de algo maior e mais importante. Não tenho dados para tanto. O […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h53 - Publicado em 11 Maio 2014, 06h56

Pesquisa Datafolha feita na quarta e na quinta mostra que 61% dos eleitores brasileiros são contra o voto obrigatório. É uma coisa boa em si. Só não escrevo que é um “bom sinal” porque isso necessariamente quereria dizer que vejo aí um sintoma de algo maior e mais importante. Não tenho dados para tanto. O meu ponto é outro: sempre que a população conclui, na sua maioria ao menos, que um direito não se impõe e que não se pode punir alguém por não exercê-lo, acho que se está no bom caminho. A ideia de que a democracia deva obrigar alguém a votar é uma estupidez, um contrassenso.

 Os números do Datafolha são absolutamente coerentes com a, como direi?, realidade da vida. Vejam.

voto obrigatório Datafolha

Quanto maior a escolaridade, maior é a rejeição à imposição: 53% (ensino fundamental), 63% (ensino médio) e 71% (ensino superior). A opinião contrária à obrigatoriedade também aumenta de acordo com a renda: 64% (até dois salários mínimos); 66% (de 2 a 5); 68% (de 5 a 10); 71% (mais de 10). Que se note: o repúdio é grande em todas essas categorias, mas é maior, como era de se esperar, entre os mais instruídos e mais prósperos. Essas pessoas são sempre mais intolerantes com os arroubos autoritários do estado.

A reportagem da Folha ouve dois analistas sobre os números. Um vê uma manifestação de “descrença preocupante”. Outro acha que o eleitor se sente impotente diante do poder público. Eu não acho nada disso. Penso que o eleitor descobriu que não faz sentido que um ato de vontade seja imposto pelo chicote estatal, ora bolas!

A obrigatoriedade e a afinidade eletiva
Vejam o que acontece quando os números são filtrados pelas afinidades eletivas: os eleitores de Dilma são os mais conformados com o voto obrigatório — não por acaso, na pesquisa eleitoral, ela lidera entre os mais pobres e menos instruídos (por enquanto ao menos). Gente menos informada e mais exposta ao arbítrio de terceiros acaba sendo mais tolerante com as imposições do Estado. A rejeição aumenta bastante entre os eleitores de Aécio Neves e Eduardo Campos. Esse dado, diga-se, desautoriza a tal hipótese da “descrença”: ora, justamente o grupo que está apostando na mudança — e, portanto, alimenta a crença numa reviravolta política — é mais refratário à obrigatoriedade.

E que se note: eu torço para Dilma perder a eleição — e não vejo por que alguém deva inferir o contrário. Olhando os números, pode-se pensar que o voto volitivo acabaria sendo ruim para Aécio e Campos já que seus respectivos eleitorados são os que mais rejeitam o voto obrigatório. Ocorre que uma coisa não implica outra. Ser contra a obrigatoriedade não é sinônimo de não querer votar.

A propósito: a imposição do voto não deixa de ser uma espécie de conforto para os políticos brasileiros. Seria útil à democracia, à população é à política que eles fossem compelidos a convencer o eleitorado de que vale, sim, a pena EXERCER UM DIREITO.

Continua após a publicidade
Publicidade