Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

CPMF 3 – O jogo pesado de Lula: tudo congelado

Por Renata Veríssimo, no Estadão:O governo recorreu ontem a um arsenal mais pesado de ameaças caso a prorrogação da CPMF não seja aprovada pelo Senado. Além de retardar o envio da proposta de reforma tributária ao Congresso, o Palácio do Planalto decidiu operar para suspender a votação do Orçamento de 2008, adiar o anúncio da […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 23 fev 2017, 10h06 - Publicado em 28 nov 2007, 06h13

Por Renata Veríssimo, no Estadão:
O governo recorreu ontem a um arsenal mais pesado de ameaças caso a prorrogação da CPMF não seja aprovada pelo Senado. Além de retardar o envio da proposta de reforma tributária ao Congresso, o Palácio do Planalto decidiu operar para suspender a votação do Orçamento de 2008, adiar o anúncio da nova política industrial e não conceder reajuste salarial para o funcionalismo público. Segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, só estarão garantidos os recursos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Bolsa-Família. O próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, se incumbiu de vincular as reformas à aprovação da CPMF ao alegar que o “timing político” não é adequado para a apresentação das propostas tributária e de política industrial. “Eu vou esperar o que vai acontecer com a CPMF para ver se a gente pode discutir reforma tributária”, afirmou. “Uma coisa em cada tempo.” E pôs pressão sobre o Congresso. “Espero que a CPMF possa ser resolvida nos próximos dias, o que depende do Senado.”
Assinante lê mais aqui

Publicidade