Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Como? “Negro, gay, MAS contra cotas e livre da pauta LGBT?” O que esse “mas” faz aí. Ou: O acerto do MBL

Movimento elege sete vereadores e seis suplentes em várias legendas. Sim, é hora de dar início à “Longa Marcha Pelas Instituições”

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h39 - Publicado em 4 out 2016, 22h42

Se é mentira que o PSOL cresceu — o partido, na verdade, encolheu —, é verdade que o Movimento Brasil Livre foi muito bem-sucedido nas eleições.

O MBL conseguiu eleger sete vereadores. Atenção, os eleitos abaixo são membros do grupo:
– Fernando Holiday (DEM) – São Paulo (SP);
– Marschelo Meche (PSDB) – Americana (SP);
– Carol Gomes (PSDB) – Rio Claro (SP);
– Filipe Barros (PRB) – Londrina (PR);
– Homero Marchese (PV) – Maringá (PR);
– Ramiro Rosário (PSDB) – Porto Alegre (RS);
– Leonardo Braga (PSDB) – Sapiranga (RS).

Além disso, o MBL fez mais seis suplentes:
– Paulo Filippus (DEM), em Gaspar (SC);
– Carol De Toni (PP), em Chapecó (SC)
– Gil Corrêa (PSDB), em São João Del Rei (MG);
– Gabriel Neubert (PP), em Capão da Canoa (PS);
– Douglas Godoy (DEM), em Irati (PR);
– Ronald Tanimoto (DEM), em São Paulo (SP).

O movimento apoiou ainda explicitamente as respectivas candidaturas a prefeito, que estão no segundo turno:
– Nelson Marchezan (PSDB), Porto Alegre (RS);
– João Leite (PSDB), Belo Horizonte (MG);
– Luiz Fernando Machado (PSDB), Jundiaí (SP);
– Orlando Morando (PSDB), São Bernardo (SP);
– Paulo Serra (PSDB), Santo André (SP).

Multipartidário
Como? Então candidatos do MBL se espalham pelos vários partidos? Sim, é isso mesmo. E entendo ser o certo. Isso nada tem a ver com aparelhamento. As legendas sabem que os membros do MBL integram o partido para defender a pauta liberal do movimento. Mais: sempre tiveram a clareza de que, se eleito, o vereador — ou que cargo tenha — não se obriga a defender a plataforma do partido. Seu compromisso é com as teses do movimento.

Peguem o caso de Holiday, um dos coordenadores nacionais do MBL, que foi muito bem votado: 48.055 votos. Sempre esteve claro ao DEM e aos que escolheram o seu nome que suas bandeiras são as do MBL.

Chegou a hora de os liberais optaram pela “Longa Marcha Pelas Instituições”. É preciso estar presente nos partidos e organismos que não são de esquerda e propugnam por novos valores. É preciso participar, sim, da guerra cultural, ora.

Tratei desse assunto no programa “Painel”, da Globo News, que foi ao ar nos primeiros dias deste ano. O vídeo segue abaixo, a partir de 28 minutos.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=44Hm1v5pF2Y?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Continua após a publicidade

Há quem acredite em estridência, gritaria, xingamento e espontaneísmo. E há quem aposte em trabalho e em estratégia. O MBL está no caminho certo, acho eu.

Coisas da imprensa
O Estadão desta terça traz um reportagem com jovens vereadores eleitos. Holiday está entre eles. Achei curiosa uma observação que lá está, segundo a qual ele é negro e gay assumido, mas não adota a pauta LGBT nem é favorável a cotas.

Que coisa, né?

Porque é gay deveria adotar a pauta LGBT? Tal pauta é de todo mundo que nasce gay ou expressa o entendimento de um setor da militância, geralmente de esquerda? Ora, Fernando é um liberal.

Há mais: então ele não nasceu como os bebês brancos, que vêm ao mundo como “tabula rasa”? Crescendo, vão escolher se são contra as cotas ou a favor, de direita ou de esquerda, corintianos ou palmeirenses.

Não! Como nasceu negro, Fernando já deveria ter vindo com um programa pré-instalado: “pró-cotas”. Bebê preto tem de vir com conteúdo!!!

Por que a imprensa não para com isso, hein?

Fernando é o mais jovem vereador a ser eleito em São Paulo: negro, gay, contra cotas e independente da pauta LGBT. São elementos coordenados por adição, não por adversativas.

É PRECISO MUDAR ESSA GRAMÁTICA DO PRECONCEITO QUE SE FINGE DE LIBERTÁRIA!

Continua após a publicidade
Publicidade