Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Assim falou o Zaratustra de Higienópolis, imitando o mestre do Kung Fu: “Melhor o PMDB brigando com o PT, Gafanhoto! A Petrobras agradece!”

Viram só? Acreditem em mim. Assim falou o Zaratustra de Higienópolis, com aquela inflexão do mestre de David Carradine no “Kung Fu” da minha infância: “Quando o PMDB e o PT brigam, Gafanhoto, o Brasil e a transparência podem ser ganhando”. Assim, quando eu achar, por minha conta, que devo pegar no pé do Eduardo […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h17 - Publicado em 11 mar 2014, 22h49

Viram só? Acreditem em mim. Assim falou o Zaratustra de Higienópolis, com aquela inflexão do mestre de David Carradine no “Kung Fu” da minha infância: “Quando o PMDB e o PT brigam, Gafanhoto, o Brasil e a transparência podem ser ganhando”. Assim, quando eu achar, por minha conta, que devo pegar no pé do Eduardo Cunha — como já fiz tantas vezes (o arquivo está aí) —, eu pego. Para fazer um favor aos petistas? Ah, isso é que não!

Leio na VEJA.com:
“Com o apoio da base governista, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira a criação da comissão para acompanhar de perto as investigações sobre recebimento de propina da Petrobras. Ao longo de todo o dia, o governo articulou para evitar a aprovação da proposta, mas, graças ao apoio de parte do chamado “blocão”, formado por deputados insatisfeitos com a presidente Dilma Rousseff, e da investida do PMDB – o maior aliado ao Palácio do Planalto –, a proposta inicialmente encampada pela oposição foi aprovada por 267 votos favoráveis (dez a mais que o mínimo), 28 contrários e 15 abstenções.”

Como se nota, não só há mais votos do que os supostos 250 do blocão como deixaram de votar 203 deputados. Digam-me cá: onde estavam os 87 deputados do PT? Nem eles apareceram?

Um grupo de parlamentares vai à Holanda investigar a denúncia de que funcionários e intermediários da Petrobras receberam US$ 30 milhões entre 2007 e 2011 para favorecer contratos com a empresa holandesa SBM Offshore. O esquema, relatado por um ex-funcionário do escritório da SBM em Mônaco, movimentou mais de US$ 250 milhões em pagamento de propina. Convenham: isso é o mínimo que deve ser investigado na estatal, a principal vítima e o emblema de todos os desacertos do petismo. Mas que se volte ao principal.

A reportagem da VEJA informa que o governo está atuando e que o blocão emite sinais de arrefecimento. Pode ser. Aloizio Mercadante, ministro da Casa Civil, entrou em campo para tentar conquistar os votos do PDT (18) e do PROS (21). Será que adiantou? Juntos, os dois partidos têm 39 deputados — houve apenas 28 votos contrários.

Seja como for, a comissão está criada. Se funcionar, melhor para a Petrobras.

 

Continua após a publicidade

Publicidade