Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

As declarações infelizes e erradas de tucanos sobre o impeachment

Ai, ai, vamos lá. Em 2005, logo depois de Duda Mendonça ter confessado na CPI que o PT depositou o que lhe devia numa conta no exterior — e na vigência do mandato de Lula —, houve quem dissesse no próprio PT que um processo de impeachment seria inevitável. Um ministraço do então presidente chegou […]

Ai, ai, vamos lá.

Em 2005, logo depois de Duda Mendonça ter confessado na CPI que o PT depositou o que lhe devia numa conta no exterior — e na vigência do mandato de Lula —, houve quem dissesse no próprio PT que um processo de impeachment seria inevitável. Um ministraço do então presidente chegou a sugerir que ele fosse a público para declarar que não se candidataria à reeleição no ano seguinte para tentar salvar o mandato.

Atribui-se a FHC, e ele nega que isso tenha acontecido, a tese do “deixar Lula sangrar no cargo” em vez de apoiar um processo de impedimento. Seria menos traumático para o país. Como o ex-presidente era, sim, contra o impeachment e segue defendendo aquela opinião até hoje, suponho que a tese do “sangramento” não seja mesmo sua. Mas foi, sim, adotada pelo PSDB. Deu no que deu. Lula foi reeleito. Elegeu sua sucessora, que se reelegeu.

Pois bem… Essa expressão infeliz voltou a ser ouvida nesta segunda num evento no Instituto FHC. Aloysio Nunes Ferreira, senador por São Paulo e vice na chapa de Aécio Neves, afirmou apoiar as manifestações de protesto marcadas para o dia 15, disse que são legítimas, mas ponderou: “Não quero que ela saia. Quero sangrar a Dilma. Não quero que o Brasil seja presidido pelo Michel Temer”.

Aloysio exerce com muita dignidade e correção o seu mandato, mas a fala é, de vários modos, infeliz. A um senador cabe defender o cumprimento da lei. Se ele acha que não há motivo legal para Dilma ser impedida, que diga. Juristas respeitáveis acham a mesma coisa, embora eu discorde. Defender o “sangramento” como estratégia quer dizer o quê? Ele acha que o custo da saída é maior do que o da permanência? Ele acha que, desse modo, os tucanos podem chegar com mais facilidade ao poder? Qual é a tese? Esse último cálculo já brinda o país com o quarto mandato consecutivo do PT.

Segundo o jornal Valor Econômico, “o senador também previu um quadro de crise política sem perspectivas de saída dada a falta de capacidade da presidente em liderar esse processo. Segundo ele, Dilma está desvinculada da realidade nacional”. Quanto tempo o senador Aloysio calcula que pode durar, então, essa sangria?

FHC também se disse contrário ao impeachment: “Não adianta nada tirar a presidente”. De fato, “não adianta nada” se os métodos continuarem os mesmos. Mas o que me pergunto é se a tarefa dos tucanos, num momento como o que vivemos, é essa. E a resposta é “não”.

Em primeiro lugar, de FHC, Aloysio e de quaisquer outros defensores de um regime democrático, o que eu espero é que defendam o cumprimento da lei. Se ficar caracterizado que a presidente cometeu crime de responsabilidade, “sangrar no cargo” deixa de ser matéria de gosto, de escolha ou de estratégia política. Se a voragem não colher Michel Temer, ele será o presidente da República — e também não há “querer” quanto a isso.

Em segundo lugar, é escancaradamente evidente que os tucanos, de fato, nada têm a ver com os protestos do dia 15. Declarações como essas parecem adotar a tese mentirosa do PT de que o debate sobre o impeachment tem um viés golpista. E, obviamente, não tem. Golpe é fazer de conta que a lei não existe.

Em terceiro lugar, declarações assim parecem fazer pouco caso, embora não creio que tenha sido a intenção, da insatisfação de milhões de brasileiros. Se os tucanos defenderem o cumprimento da Constituição e das leis, estarão fazendo a coisa certa.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Charles Sousa

    Infelizmente, no Brasil não existem projetos de Nação, mas apenas projetos partidários e isso, digo com plena certeza, não é diferente em nenhum partido. Todos estão comprometidos consigo mesmos, todos. Seja PT, PMDB, PSDB, ou qualquer outro Pnico a que eu me refira. Simplesmente, não existe em nenhum lugar qualquer projeto de desenvolvimento para nosso país, apenas projetos pessoais de manutenção do poder. Uso aqui as palavras do senhor João Leão (PP) vice-governador da Bahia, todos estão “cagando e andando” para toda a população.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sandra

    O sonho de FHC: Parlamentarismo…….
    Lula presidente e ele primeiro ministro.
    Até rimou!!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    mariomm

    E o senador Aloysio (em quem votei) ainda falou que não quer dar o poder ao Temer, como se a continuidade da Dilma fosse uma opção superior. Pensar na hipótese, vá lá, mas se posicionar sobre ela em público, num momento em que o PMDB é o fiel da balança é de uma falta de habilidade tal, que o gabarita para um cargo de assessor da Dilma. Já tinha percebido a atitude mercurial do senador em outras ocasiões, mas agora ele se superou. Por que não te calas, Aloysio?

    Curtir

  4. Comentado por:

    Telmo Roberto Reis

    Reinaldo discordo de você, pois o discurso do PSDB está coerente com a esquerda. Aliás neste Brasil, como todos sabemos, não existe direita. Quando é que o Aécio vai denunciar o Foro de São Paulo ? A autorização para entrada de tropas estrangeiras ? A compra de parte da Amazônia pela China ? A arrasada Venezuela comprou U$ 20 bilhões em armas da Rússia com que dinheiro ? Eu acho que é com os 88 bilhões da Petrobrás. A única direita é o Bolsonaro e Eduardo Cunha, o qual Rodrigo Janot, Teori Zavascki e a Rede Globo querem por no rolo do Petrolão.

    Curtir

  5. Comentado por:

    me

    Fala mais que infeliz. Deixar sangrar como deixaram o outro no Mensalão.

    Curtir