Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Alô, Ministério Público! Fora do Eixo anuncia criança nascida em uma das casas como “construção/experimentação” coletiva; entidade paga a pensão de crianças abandonadas por pais que decidiram viver na comunidade. Com dinheiro da Petrobras e da Lei Rouanet!

Fiquei sabendo que a turma do Fora do Eixo está brava comigo. Que pena! Se forem os chefões, não ligo. Se for a mão de obra similar à escravidão que se explora por lá, pior para os… próprios escravos. A VEJA desta semana traz uma reportagem de Helena Borges sobre a turma. A coisa me […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 17 fev 2017, 09h27 - Publicado em 12 ago 2013, 04h45

Fiquei sabendo que a turma do Fora do Eixo está brava comigo. Que pena! Se forem os chefões, não ligo. Se for a mão de obra similar à escravidão que se explora por lá, pior para os… próprios escravos. A VEJA desta semana traz uma reportagem de Helena Borges sobre a turma. A coisa me parece bem mais grave do que se supunha. Reproduzo um trecho estarrecedor. Volto em seguida.

(…)
Alguns dos moradores [das casas Fora do Eixo] deixaram seus filhos para viver na comunidade. Nesses casos, é o Fora do Eixo que paga a pensão das crianças. No ano passado, nasceu o primeiro bebê que, segundo o Facebook do grupo, será criado coletivamente. “Benjamin Guarani-Kaiowá”, anunciou alegremente o FdE em um post, “tem mãe e pai biológicos, mas será criado por uma enorme rede, veloz e nômade. Nasceu on-line com registro midialivrista e será uma construção/experimentação dos novos bandos urbanos”. Se a turma de Capilé soa assim meio fora do eixo, seu líder não rasga dinheiro — pelo menos não o de verdade.

Voltei
Por onde a gente começa? A última vez em que crianças foram tratadas como “construção/experimentação” foi, não há por que não lembrar, no regime nazista. “Gente”, como se sabe, não é brinquedo e não pode ser submetida a esses, como posso chamar?, testes. Aliás, já há aí material suficiente para que o Ministério Público se interesse pelas “casas” de Capilé, tanto o setor do MP empenhado no combate ao trabalho escravo como aquele que zela pelos direitos dos infantes. Lembro que a proteção à criança, no Brasil, como está claro no ECA, transcende a vontade dos país. Se há notícia de maus-tratos físicos ou psicológicos, o estado tem o dever de intervir.

Segundo entendi, o pobre Benjamin Guarani-Kaiowá está sendo educado pelo estado paralelo inventado por Capilé — o homem que pega a grana em reais da Petrobras ou de governos e “paga” seus escravos com uma moeda própria, os “cubo cards”. Quando chegar a hora de o pai ou a mãe ir à reunião da escola, o “coletivo” é que vai comparecer? Tadinho do Guarani-Kaiowá… Os outros meninos têm de, simbolicamente, matar um só pai, ele terá de enfrentar um coletivo; os outros têm só uma Jocasta… Este terá todas!

É um escândalo que essa gente aloprada possa fazer e escrever essa barbaridade. Até porque, como é sabido, uma “construção/experimentação” pode dar certo ou errado, não é mesmo?

Enquanto o chefe da seita se regozija com sua “construção/experimentação”, outras crianças estão crescendo longe de seus respectivos pais, que decidiram largar tudo para se internar no “mosteiro” de Capilé. Generoso, ele, por intermédio das casas Fora do Eixo, paga a pensão da garotada. Benjamin Guarani-Kaiowá, assim, tem um monte de pais; os outros não têm pai nenhum!

Continua após a publicidade

Não custa lembrar que a Petrobras e a Lei Rouanet respondem por parte do dinheiro dessa gente. Empresas públicas e privadas que financiam  Capilé e sua turma se tornam moralmente responsáveis por seus métodos.

Publicidade