Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Aliados de Sarkozy haviam vazado informações sobre vida sexual de Strauss-Kahn antes de escândalo, diz jornal

Da Agência Estado, com informações da Dow Jones: Pessoas ligadas ao presidente da França, Nicolas Sarkozy, vazaram à imprensa nos últimos meses detalhes sobre a vida privada de Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), informou nesta terça-feira, 24, o jornal francês Le Monde, adiantando informações de uma reportagem que estará em sua edição de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 11h53 - Publicado em 24 Maio 2011, 21h20

Da Agência Estado, com informações da Dow Jones:
Pessoas ligadas ao presidente da França, Nicolas Sarkozy, vazaram à imprensa nos últimos meses detalhes sobre a vida privada de Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), informou nesta terça-feira, 24, o jornal francês Le Monde, adiantando informações de uma reportagem que estará em sua edição de amanhã.

O Le Monde diz ter recebido recentemente uma cópia de um documento policial descrevendo como Strauss-Kahn foi encontrado “em uma situação embaraçosa em um carro, a oeste de Paris, em um lugar bastante conhecido pelo sexo pago”, durante uma patrulha policial de rotina. O flagrante teria ocorrido antes de Sarkozy ser eleito, em maio de 2007.

Strauss-Kahn se tornava cada vez mais popular nas pesquisas para a próxima corrida presidencial na França, marcadas para maio do ano que vem. Aliados de Sarkozy, que deve tentar a reeleição, disseram a jornalistas que tinham Strauss-Kahn em suas mãos, pois podiam revelar segredos sobre sua conduta sexual, afirmou o diário. Um porta-voz do presidente francês não quis comentar o caso no momento.

Membro do oposicionista Partido Socialista, Strauss-Kahn, de 62 anos, foi preso em meados deste mês em Nova York e acusado por crimes sexuais, incluindo tentativa de estupro, contra uma camareira do luxuoso hotel Sofitel, em Manhattan. Strauss-Kahn renunciou à chefia do FMI e foi libertado após pagar fiança. Agora, está em prisão domiciliar nos EUA, vigiado 24 horas por dia.

Continua após a publicidade

Publicidade