Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ainda os incendiários do posto de gasolina, os quilombolas, o “negro subjetivo” e o Jornal Nacional

Um leitor, que se identifica como Paulo César, aponta o que considera os meus “equívocos” no post em que critico a abordagem que o Jornal Nacional fez de dois assuntos ontem: o arrastão promovido por supostos funkeiros e o caso da invasão, e posterior conflito, de uma fazenda no norte de Minas. O post está […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h36 - Publicado em 21 jan 2014, 17h35
Canalha tenta riscar um fósforo para explodir o posto, depois de derramar combustível no chão

Canalha tenta riscar um fósforo para explodir o posto, depois de derramar combustível no chão. Felizmente, não conseguiu

Um leitor, que se identifica como Paulo César, aponta o que considera os meus “equívocos” no post em que critico a abordagem que o Jornal Nacional fez de dois assuntos ontem: o arrastão promovido por supostos funkeiros e o caso da invasão, e posterior conflito, de uma fazenda no norte de Minas. O post está aqui. Segundo ele, não há nada de errado na forma como as notícias foram dadas, e minha crítica teria apenas “viés ideológico”. Ele me recomenda ainda que tome cuidado para não ser o “outro extremo do JEG”. JEG, como devem saber quase todos os leitores, é a sigla que criei para definir o “Jornalismo da Esgotosfera Governista”, aquela gente financiada por estatais para exaltar o governo e o PT e atacar as lideranças de oposição e a imprensa independente. Não corro o risco. Escrevo o que penso, não o que pensa uma “legião”. Adiante.

Acho que fui bastante claro no post que escrevi, mas não me incomodo de voltar ao assunto. Noto, de saída, que critiquei, em primeiro lugar, o discurso da PM — não a ação de repressão, deixo claro. Ainda que os atos criminosos tenham se seguido à proibição de um baile funk, é preciso que se tome cuidado para que ações daquela natureza não sejam consideradas uma reação possível de descontentes. Evidentemente, não é. Aquilo é banditismo em estado puro. A questão, para mim, toca num dos pontos centrais do combate à violência.

Quem espanca funcionários e clientes de um posto de gasolina, derrama combustível no chão de forma deliberada e tenta explodir o lugar age deliberadamente de forma criminosa. Pobre ou rico, ele é apenas um bandido. Não há condição social que explique isso — a menos que se invista no preconceito habitual de associar a pobreza a delitos. Essa, como se sabe, é uma das farsas mais influentes no debate sobre a violência, desmentida de forma peremptória pelos fatos. São tantos os pobres no Brasil que, fosse verdadeira a relação, seria impossível andar nas ruas. A verdade é bem outra: a esmagadora maioria dos pobres tem o senso de moralidade de todos nós: peca aqui e ali, mas, no geral, segue as leis. Algumas psicopatias à parte, o criminoso o é porque quer, não porque foi empurrado para o crime.

E acho, sim, hoje mais do que ontem, que o JN fez muito mal em associar ao caso a promessa do prefeito Fernando Haddad de que vai levar iluminação para os tais clubes comunitários — ou algo assim. Qual é a relação óbvia que se estabelece? Com os clubes, não seria preciso fazer o baile funk no meio da rua, a polícia não teria interferido, e aqueles rapazes não teriam praticado aquelas barbaridades. Essa explicação pertence à mesma família moral daquela que sustenta que, não fossem as pesadas penas impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalhes, não teria havido nazismo no país. Há uma diferença entre explicitar circunstâncias e estabelecer relações de causa e efeito que, no fim das contas, acabam responsabilizando as vítimas pela ações dos criminosos e facínoras.

Se cada crime cometido por pobres — frequentemente contra outros pobres, que não despertam a compaixão nem excitam a compreensão dos politicamente corretos — merecer um rabicho explicativo de sociologismo barato (falta de “opções de lazer”, por exemplo), estará criada a justificativa para a violência. Mas será preciso, por coerência intelectual, atuar também na outra ponta: o criminoso do colarinho branco terá igualmente de ser visto como alguém, sei lá, “vítima da sua classe”, certo? Ou a riqueza, a seu modo, também não tolhe a liberdade de escolha? Sigamos.

Continua após a publicidade

A invasão da fazenda
Paulo César me acusa ainda de tentar negar o que considera um fato “óbvio”, assim definido por ele: “a violência promovida pelos proprietários rurais”. E pergunta, em tom de desafio: “Você não reconhece?”. Não! Eu não reconheço! Não, ao menos, como ação deliberada de um grupo social ou de uma área da economia. Ao contrário: eu reconheço, isto sim, é que o setor agropecuário brasileiro há muitos anos tem livrado o país do buraco. Há bandidos entre os proprietários de terra? Há sim! Mas também os há na indústria, no comércio, nos serviços, na imprensa…

Estou igualmente mais convencido do que ontem dos equívocos da reportagem do Jornal Nacional. Em nenhum momento ficou claro que a invasão da fazenda, promovida por supostos quilombolas, era um ato ilegal. Nota: a violência com que foram retirados não se justifica; nem eu a justifiquei; escrevi isso Na verdade, a palavra “invasão” nem foi pronunciada pela reportagem ou pela locução do JN. Falou-se, candidamente, que eles “entraram” na propriedade. De modo oblíquo, informa-se que o Incra inclui a terra entre aquelas que poderão ser passíveis, um dia, quem sabe?, de reforma agrária. Fica clara a sugestão de que a invasão — ooops, “a entrada” — era justificada.

Eu reconheço, sim, que existe uma indústria da invasão de terras no país. Eu reconheço, sim, que existe uma escandalosa manipulação do conceito de “comunidades tradicionais”, seja para definir índios, seja para definir quilombolas. Paulo César aponta a minha “ignorância” por estranhar o que o dito “quilombola” entrevistado seja… branco! Segundo ele, cor de pele não é critério para definir quem pertence e quem não pertence a essa comunidade.

Ah, entendi: cor de pele serve para conquistar vaga na universidade pelo regime de cotas e, em breve, uma vaga no serviço público. Na hora da “quilombonlice”, aí não. Aí, parece, o que conta é o negro que cada um tem dentro de si, o negro subjetivo. Diz ele que aquele rapaz pode ser um descendente. Claro que pode! Mas é evidente que ele é fruto do cruzamento de cores de pele, de culturas, de correntes migratórias, sei lá eu. Ele é, em suma, uma brasileiro como a larga maioria de nós: está todo misturado. Seja para definir reservas indígenas, seja para definir áreas de quilombolas, não dá para fazer de conta que a história brasileira não existiu. Mas que se note: esse é o aspecto menos importante da minha restrição.

Inaceitável mesmo é que uma invasão não seja tratada como tal e que se condene apenas um dos atos criminosos. O simples silêncio sobre a primeira transgressão legal já comprometeria a isenção da reportagem. Mas há mais do que silêncio: a história é contada segundo um ponto de vista: o dos invasores — tratados como simples “entrantes”.

Lamento! Está tudo errado, e minhas observações, de resto, são técnicas. Não têm nada a ver com ideologia, se sou de direita ou de esquerda, comunista ou liberal. O país tem uma ordem jurídica, democraticamente instituída, e seus fundamentos têm de ser respeitados. Abordagem ideológica — no sentido de que se apela a um conjunto de valores abstratos para alterar e corrigir os fatos — foi a empregada pelo Jornal Nacional.

PS: No vídeo que publiquei, do SPTV, falta o momento em que um dos bandidos tenta riscar um fósforo para explodir o posto. Por que no do JN aparece aquele instante e não no outro? Não sei. 

Continua após a publicidade
Publicidade