Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ainda o aborto: A máquina militante de produzir números falsos para encontrar uma justificativa moral para eliminar os fetos

Escrevi naquele post sobre a novela “Amor à Vida” (mas nem tanto…) que sabia por que a militância pró-aborto mentia tanto sobre o número de mulheres mortas, mas acabei não explicitando o motivo. Ele é escandalosamente claro. É preciso haver uma razão moralmente forte para justificar a eliminação dos fetos. Então se cria essa falácia. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h33 - Publicado em 23 ago 2013, 04h43

Escrevi naquele post sobre a novela “Amor à Vida” (mas nem tanto…) que sabia por que a militância pró-aborto mentia tanto sobre o número de mulheres mortas, mas acabei não explicitando o motivo. Ele é escandalosamente claro. É preciso haver uma razão moralmente forte para justificar a eliminação dos fetos. Então se cria essa falácia. Assim, uma opinião que é de matriz ideológica ganha um verniz humanitário. Por isso pilantras afirmavam, até o ano passado, que morriam, a cada ano, 200 mil mulheres vítimas de aborto. Não chegam a duas mil, como já escrevi, as que morrem em decorrência da gravidez — e o aborto, natural ou espontâneo, responde por 5% desse total. Façam as contas.

Igualmente fantasiosa é a história de que se faz 1,5 milhão de abortos clandestinos por ano no país. Por clandestinos, não há notificação. Sem notificação, o resto é chute. Ou alguém calcula o número de aborto por estimativa? Ora… Mas pensemos um pouco mais. Como sabem os médicos, cerca de 30% das fecundações não prosperam. São os abortos espontâneos, muitos deles nem mesmo percebidos pelas mulheres porque ocorrem logo nos primeiros dias. Por ano, nascem no Brasil, estima-se, 2,8 milhões de crianças. Pois bem, se nasce esse número e se os abortos provocados chegassem a 1,5 milhão, deveríamos concluir, então, que a soma dessas duas grandezas (4,3 milhões) corresponderia àqueles 70% que sobreviveram ao aborto espontâneo, certo? Não percam o fio.

Se, pois, 4,3 milhões de concepções correspondem a apenas 70%, os 100% somariam 6,142 milhões. Em 2010, a população feminina entre 15 e 49 anos somava, segundo o IBGE (dados de 2010), 53.675.289 mulheres. Assim, teríamos de concluir que, todo ano, 11,44% delas engravidariam. Isso é uma alucinação! Cada um defenda a causa que quiser. Essa gente deveria ter um pouco de pudor e fazer com que a sua convicção convivesse minimamente com a matemática. Querem eliminar os fetos? Pois que tenham a coragem de fazer a defesa dessa eliminação de cara limpa, sem inventar números que não resistem a um confronto mínimo com a realidade.

Não gostam de mim? Sou um carola reacionário? Tudo bem! Basta-me que passem a gostar da matemática e dos fatos.

Texto publicado originalmente às 2h47
Continua após a publicidade
Publicidade