Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A VOLTA DA ESTELIONATÁRIA – Em vídeo, Dilma lança contra Temer as mesmas mentiras que lançou contra Aécio em 2014

Num discurso espantosamente irresponsável, a ainda presidente também diz que o Brasil está em crise por culpa da... oposição!

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 9 fev 2017, 09h38 - Publicado em 16 abr 2016, 06h38

O pronunciamento da presidente Dilma Rousseff, que acabou restrito às redes sociais depois que ela desistiu da cadeia nacional de rádio e televisão, dá conta da loucura que tomou conta do Planalto. Como é que esta senhora pensa governar depois caso sobreviva? A petista repisou a ladainha mentirosa de que está em curso um golpe no Brasil e conclamou os seus seguidores à resistência.

Uma governante que chama um processo de impeachment regulamentado pelo Supremo de golpismo diz bem a responsabilidade que tem. Mas isso, acreditem, nem foi o pior. Ela repetiu o discurso do estelionato que à levou à reeleição e lançou, agora contra Michel Temer, as mesmas acusações que fez contra o tucano Aécio Neves em 2014.

Afirmou a ainda presidente:
“Peço a todos os brasileiros que não se deixem enganar. Vejam quem está liderando esse processo e o que propõem para o futuro do Brasil. Os golpistas ja disseram que, se conseguirem usurpar o poder, será necessário impor sacrifícios à população brasileira. Com que legitimidade? Querem revogar direitos e cortar programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Ameaçam até a educação pública. Querem abrir mão da soberania nacional, mudar o regime de partilha e entregar os recursos do pré-sal às multinacionais estrangeiras. Antes de tudo, o que move os golpistas são os nossos acertos.”

Como se vê, no discurso de Dilma, não houve crime de responsabilidade, e aqueles que se movimentam em favor do impeachment estão a serviço de interesses inconfessáveis. Na reta final, no desespero, Dilma retorna ao discurso terrorista da campanha eleitoral, quando atribuiu ao adversário intenções que, depois, acabaram fazendo parte do seu próprio rol de medidas.

Aquela que lidera o governo mais criminoso da nossa história se coloca como o esteio da dignidade política. Quem diria, não é? Enquanto ela gravava esse pronunciamento, o presidente “de facto” do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, distribuía cargos num quarto de hotel. Ele também gravou um vídeo em que, com a sem-cerimônia habitual, deixou claro que, se derrotado o impeachment, será ele próprio a garantia do governo. Isso, sim, é a mais pura expressão de um golpe.

Publicidade

Dilma foi adiante e atribuiu a seus adversários práticas que só típicas das milícias que a apoiam e que ela recebe em palácio. Afirmou:
“Para alcançar seus objetivos, estão dispostos a violentar a democracia e a rasgar a Constituições, espalhando a intolerância, o ódio e a violência entre nós”.

As quatro grandes manifestações em favor do impeachment constituíram as quatro maiores da história do Brasil. Não se registrou, à diferença do que diz esta senhora em seu discurso irresponsável, um só ato de violência. Já os seus brucutus, ah, estes, sim, ameaçam, intimidam, atacam e prometem conduzir o país ao caos.

Em seu discurso, Dilma praticamente extingue os artigos 85 e 86 da Constituição. O primeiro trata dos crimes de responsabilidade — e entendo que ela foi muito além do atentado à Lei Fiscal —, e o segundo, do impeachment. Segundo a pensadora, a deposição de um presidente eleito é inaceitável e pronto. Por esse caminho, os petistas precisam começar a chamar de “golpe” o impeachment de Collor.

Esse é um discurso de guerra, não de paz. A fala injeta veneno na sociedade brasileira e se sustenta em mentiras óbvias. Se Dilma, para má sorte do país, sobrevive ao impeachment, tende, sim, a conduzir o país para a desordem. E não! O caos não será provocado por seus adversários, mas pela própria presidente e seus aliados.

Para arremate, Dilma encontrou os culpados pela situação calamitosa do país. Leiam:
“Os derrotados mergulharam o país num estado permanente de instabilidade política, impedindo a recuperação da economia, com um único objetivo: de tomar à força o que não conquistaram nas urnas”.

Entenderam? Não houvesse oposição no Brasil, não haveria crise. Dilma superou Dilma na mentira, no estelionato eleitoral e na truculência retórica.

Publicidade

Ela, que não governa, quer ser agora a sacerdotisa do apocalipse. Mas não será. Segue o vídeo.

Publicidade