Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A reação hipócrita dos petistas à renúncia de Eduardo Azeredo

Se petistas fossem ao menos seres lógicos, já seria um avanço porque isso aumentaria, digamos assim, a humanidade da conversa. As falas estúpidas vão se multiplicando, inclusive por intermédio da Al Qaeda eletrônica nas redes sociais. Então vamos ver. O senador Humberto Costa (PT-PE) diz que Eduardo Azeredo renunciou a seu mandato na Câmara “para […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h24 - Publicado em 20 fev 2014, 19h54

Se petistas fossem ao menos seres lógicos, já seria um avanço porque isso aumentaria, digamos assim, a humanidade da conversa. As falas estúpidas vão se multiplicando, inclusive por intermédio da Al Qaeda eletrônica nas redes sociais. Então vamos ver.

O senador Humberto Costa (PT-PE) diz que Eduardo Azeredo renunciou a seu mandato na Câmara “para evitar que o STF se posicione e para tirar o foco do PSDB”. É mesmo? Por quê?

Os petistas não são os primeiros a dizer que essa história de mensalão não tem a menor importância eleitoral? De certo modo, têm razão: Lula foi reeleito depois do escândalo, e Dilma se elegeu em 2010.

Irmão de José Genoino, o deputado federal José Guimarães (PT-CE) — aquele cujo assessor, um pobre-coitado, apareceu com a cueca recheada de reais e dólares — saiu-se com uma patacoada: “Era fundamental garantir a ele [Azeredo] a justiça que foi negada ao PT”.

Como é que é, doutor? Justiça negada ao PT? Então vamos ver:

1: se, antes do início do julgamento, todos os que detinham foro especial por prerrogativa de função tivessem renunciado, o processo não teria ficado no Supremo;

Continua após a publicidade

2: ocorre que os petistas e seus associados apostaram que tinham mais chances de absolvição no Supremo do que na Justiça comum;

3: quando se deram conta de que não era bem assim, já era tarde;

4: os petistas mantiveram o foro especial porque quiseram. João Paulo Cunha, por exemplo, não apenas fez questão de se candidatar a deputado como teve o topete de, réu em três crimes — corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro —, presidir a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

5: com o julgamento já em andamento, o sr. José Genoino teve a cara de pau de assumir um mandato na Câmara e integrar também a… Comissão de Constituição e Justiça;

6: já condenados, decidiram fazer uma “vaquinha” na Internet para arrecadar dinheiro, debochando da Justiça;

7: De resto, independentemente das consequências, se o processo migrará ou não para a primeira instância, a renúncia é livre.

E encerro lembrando que, ainda que Azeredo tenha renunciado pensando na campanha de Aécio Neves à Presidência, melhor essa postura — mesmo ele se dizendo inocente — do que a daqueles que se orgulham de malfeitos já comprovados nos autos e que fazem praça dos crimes pelos quais já são condenados.

Continua após a publicidade

Publicidade