Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A ESSÊNCIA CRIMINOSA DOS INTELECTUAIS DO PCI

Ainda comentando o manifesto daqueles que se dizem intelectuais contra a CPI do MST, estive a refletir sobre um trecho: Na ótica dos setores dominantes, pés de laranja arrancados em protesto representam uma imagem mais chocante do que as famílias que vivem em acampamentos precários desejando produzir alimentos. É a cara do Primeiro Comando dos […]

Ainda comentando o manifesto daqueles que se dizem intelectuais contra a CPI do MST, estive a refletir sobre um trecho:

Na ótica dos setores dominantes, pés de laranja arrancados em protesto representam uma imagem mais chocante do que as famílias que vivem em acampamentos precários desejando produzir alimentos.

É a cara do Primeiro Comando dos Intelectuais esse negócio, não? Em São Paulo, o PCI é a voz, digamos, acadêmica do PCC; no Rio, do Comando Vermelho e dos Amigos do Amigos, né? Essas bestas cúbicas não negam a sua origem.

Não existe organização socialista na história — atenção: em qualquer tempo ou lugar — que tenha se formado sem considerar a possibilidade de cometer crimes em nome da causa. Não me refiro, obviamente, apenas àqueles crimes definidos pelos códigos, mas também aos outros, aos morais. O que é um crime moral? É aquele que, independentemente do código vigente, alguém comete na esperança de que o outro, o adversário, seria incapaz de cometer.

Não há esquerda sem essa ambigüidade moral; sem a constatação de que existe a moral “deles”, que lhes permite fazer qualquer coisa, e a moral do “outro”, que seria mais restritiva e, por isso mesmo, os protegeria do contra-ataque. Um esquerdista de verdade está sempre testando os limites dos inimigos na esperança de contar com a moralidade dele para se preservar. E, não raro, têm lá a sua razão em prever uma reação frouxa, não é mesmo?

Vejam o trecho de asquerosa demagogia. Não é porque existem injustiças no mundo que a gente vai sair por aí destruindo laranjais, roseirais ou capinzais… Não existe causa humana que dê a alguém a condição de absolutista moral. Ou existe? No mundo deles, eis o ponto, existe.

A causa ainda é, pasmem!, o “socialismo”. Como o socialismo não virá — não como eles anseiam —, sem poder chegar ao fim, ao grande crime, contentam-se com os meios criminosos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s