Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Xuxa versus Google, parte dois: a guerra continua

O Google Brasil já recorreu da liminar que o obriga a retirar do ar as 21 900 imagens e os 64 900 links que aparecem para quem digitar as palavras “Xuxa” e “pedófila”. A decisão judicial em favor de Xuxa foi tomada no início do mês pela Justiça do Rio de Janeiro. Xuxa quer que […]

Por Da Redação - Atualizado em 31 jul 2020, 13h48 - Publicado em 28 out 2010, 15h26

O Google Brasil já recorreu da liminar que o obriga a retirar do ar as 21 900 imagens e os 64 900 links que aparecem para quem digitar as palavras “Xuxa” e “pedófila”.

A decisão judicial em favor de Xuxa foi tomada no início do mês pela Justiça do Rio de Janeiro. Xuxa quer que o Google não mostre qualquer desses links, nos quais aparece em boa parte deles nua ou em cenas de sexo tiradas do filme Amor Estranho Amor, de 1982.

A decisão da 1ª Vara Cível do Foro Regional da Barra da Tijuca era clara: se não tirá-los do ar, o Google teria que pagar 25 000 reais por cada “resultado positivo” de busca. Além disso, teria que pagar outros 20 000 reais por foto ou vídeo de Xuxa “sem vestes”.

Até a semana que vem, os advogados do Google apresentarão a contestação à decisão judicial. Mas antes disso, entre hoje e amanhã, Xuxa contra-atacará o maior site de buscas do mundo.

Vai entrar com uma petição alegando que o Google está desrespeitando uma decisão judicial, já que os links não foram retirados ainda. Seus advogados estimam que a multa, hoje, do Google já seria de cerca de 13 milhões de reais.

Para manter tudo como está, o argumento do Google é o seguinte: “O Google não produz, altera, edita, monitora ou interfere nas informações indexadas pelo buscador. Usuários que desejam que alguma informação seja alterada ou removida da Internet podem entrar em contato com o webmaster da página em questão para saber mais sobre sua política de retirada de conteúdo”.

É uma briga ainda longe de seu final.

Continua após a publicidade
Publicidade