Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vereadora entra com recurso para Doria explicar ‘ração humana’

Sâmia Bomfim classifica iniciativa alimentar de Doria como 'desumana'

Por Ernesto Neves Atualizado em 12 out 2017, 22h47 - Publicado em 12 out 2017, 16h01

Em entrevista ao Radar, a vereadora Sâmia Bomfim (PSol) classificou como desumano o programa “Alimento Para Todos”, iniciativa do prefeito João Doria para o combate à desnutrição.

A prefeitura anunciou que vai distribuir um composto alimentar de formato granulado, feito com itens que estiverem próximo da data de vencimento. Pelo formato, o produto vem sendo chamado nas redes sociais de “ração humana”. 

“Tomei um susto quando vi que o programa proposto pela prefeitura consiste na distribuição de uma farinha hiperindustrializada, na contramão do que todos os especialistas em nutrição recomendam: a alimentação com produtos in natura”, disse.

“É desumano contribuir para que as pessoas em situação de vulnerabilidade continuem a comer “Chips e farelos” enquanto os mais ricos comem uma alimentação variada e tem acesso a orgânicos”, afirma.

Sâmia enviou à prefeitura um requerimento para obter mais informações sobre a iniciativa. A resposta terá de ser entregue em até 60 dias. “Queremos saber quais os parâmetros estatísticos foram utilizados para elaborar esse projeto”, afirmou.

“O problema da cidade tem muito mais a ver com a qualidade e a distribuição dos alimentos, com a obesidade que o próprio Doria usou como subterfúgio para os cortes na merenda, do que com a desnutrição”, afirmou a vereadora.

Continua após a publicidade

Publicidade