Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

TSE livra Bolsonaro de multa por fake news contra Marina Silva em 2018

Alexandre de Moraes aplicou multa de 5.000 reais a militante bolsonarista que editou vídeo, mas não viu prova do envolvimento do presidente

Por Robson Bonin Atualizado em 3 jun 2021, 19h31 - Publicado em 4 jun 2021, 11h21

Após ter um vídeo de campanha adulterado em 2018, Marina Silva processou Jair Bolsonaro.

Nesta semana, o TSE encerrou o caso. Ao julgar a questão, o ministro Alexandre de Moraes reconheceu a edição bolsonarista, mas isentou Bolsonaro.

“Não há provas nos autos que demonstrem, de fato, o prévio conhecimento do conteúdo da publicação impugnada, limitada a representante a suposições genéricas acerca da ciência dos demais beneficiários. Além disso, a simples alegação de que o publicitário da campanha eleitoral de Jair Messias Bolsonaro se manifestou sobre o vídeo em questão é incapaz de comprovar tal circunstância”, escreveu Moraes.

Bolsonaro escapou, mas um militante foi multado: “Julgo parcialmente procedentes os pedidos formulados na presente representação, apenas para condenar Carlos Augusto Oliveira ao pagamento de multa aqui arbitrada em 5.000 reais, nos termos do art. 57-B, § 5º, da Lei 9.504/1997”.

Quem defendeu Bolsonaro no caso foi a advogada Karina Kufa: “A legislação eleitoral muda com muita rapidez. O que é permitido em uma eleição, pode ser proibido na outra, o que geralmente causa incertezas nos candidatos e nos partidos – e a necessária atualização dos advogados. Portanto, é fundamental que o TSE profira decisões que estejam em sintonia com os precedentes da Corte, como ocorreu neste caso, ao afastar a responsabilidade do presidente Bolsonaro, então candidato à época dos fatos”.

Continua após a publicidade
Publicidade