Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Torquato tentou nomear seu preferido para a PF até último minuto

Não conseguiu e saiu fragilizado

Por Gabriel Mascarenhas 14 nov 2017, 07h27

Torquato Jardim saiu publicamente derrotado com a escolha de Fernando Segóvia para o comando da Polícia Federal. Mas o ministro tentou o quanto pôde.

Até terça-feira de manhã, véspera do anúncio, Jardim ainda trabalhava para emplacar seu preferido, o delegado Rogério Galloro, na diretoria-geral da PF. Sem sucesso.

No fim do dia, até Leandro Daiello, que deixou o posto, ficou sabendo que sua permanência era uma questão de horas.

Na queda de braço, venceram Augusto Nardes, ministro do TCU investigado na Operação Zelotes, e Eliseu Padilha, que dispensa comentários, ambos entusiastas da indicação de Segóvia.

Continua após a publicidade
Publicidade