Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Tem deputado que passou mais de 40 dias em missão no exterior 

Parlamentares com mais mandatos de Casa viajaram mais vezes

Por Evandro Éboli, Pedro Carvalho - Atualizado em 30 jul 2020, 19h13 - Publicado em 8 jan 2020, 07h05

Integrante da Comissão de Turismo da Câmara, o deputado José Airton Cirilo (PT-CE) faz jus ao posto. E não tem do que reclamar. Incluídos dias de viagem – ida e volta – o petista passou 46 dias em oito dessas missões oficiais no exterior em 2019.

Num roteiro de agência de viagens: Las Vegas, Cuzco, Lisboa e Havana, Macau, Cartagena, e por aí vai.

O total de suas andanças, entre diárias e passagens, ficou em R$ 113,4 mil, entre os mais caros dos tours. Pouco ou nada se aproveita, por exemplo, de seu relatório dos sete dias da viagem em Macau, na China. Relata apenas com quem foi e sua agenda. Não dá detalhes de nada, do que se discutiu, o conteúdo.

Curioso que os veteranos de mandatos viajam mais. Conhecem os caminhos da pedra. Cirilo está no quarto.

No seu sétimo mandato, Cláudio Cajado (PP-BA) é um colecionador de milhas. Foram sete missões internacionais ano passado, em destinos de dar inveja: Nova Iorque, Londres, Paris, Roma, Genebra, Paris (de novo), Nova Iorque (de novo).

Em 2019, Cajado, que integra a Comissão de Relações Exteriores, passou 37 dias no exterior, com despesas de R$ 115,1 mil.

Rubens Bueno (Cidadania-PR), no seu quinto mandato, foi a seis missões internacionais e passou 35 dias no exterior. Buenos Aires, Roma, Genebra e Belgrado foram algumas das cidades onde participou de conferências, seminários e assembleias.

Outro deputado petista, Zé Carlos (MA) passou 44 dias fora do país, e custou a Câmara R$ 85,6 mil de diárias e passagens. Em sete missões, esteve em Curaçao, Paris, Panamá, Barcelona. Após visita ao Salão de Exposições Le Bourget, de aviação, escreveu no seu parecer que a “experiência adquirida é sempre muito bem-vinda e enriquece a bagagem profissional dos parlamentares”.

Continua após a publicidade
Publicidade