Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STJ afasta governador do Tocantins por seis meses

Ministros vão decidir nesta quarta se referendam ou não a decisão que tirou Mauro Carlesse do cargo; PF cumpre mandados na sede do governo

Por Robson Bonin Atualizado em 20 out 2021, 08h23 - Publicado em 20 out 2021, 08h20

O ministro Mauro Campbell, do STJ, determinou o afastamento do governador do Tocantins, Mauro Carlesse, do cargo por seis meses. Nesta quarta, uma operação da Polícia Federal foi deflagrada para cumprir mandados na residência oficial do governador, acusado de obstruir investigações.

Campbell levará sua decisão ao plenário da Corte Especial do STJ nesta quarta para que o colegiado referende o afastamento do governador. São necessários 10 de 15 votos para confirmar a decisão.

A ação desta quarta tem o objetivo de desarticular organização criminosa que executou uma série de ações para supostamente impedir ou obstruir investigações que apuravam ilícitos relacionados à cúpula do Governo do Estado do Tocantins.

Os inquéritos, que tramitaram sob sigilo na Corte Especial do STJ, indicaram a presença de fortes indícios do pagamento de vantagens indevidas ligadas ao Plano de Saúde dos Servidores do Estado do Tocantins e a estrutura montada para a lavagem de ativos, bem como indicou a integralização dos recursos públicos desviados ao patrimônio dos investigados.

“As investigações, iniciadas há quase dois anos, reuniram um vasto conjunto de elementos que demonstram um complexo aparelhamento da estrutura estatal voltado a permitir a continuidade de diversos esquemas criminosos comandados pelos principais investigados”, diz o STJ.

Além da obtenção de novas provas, as operações buscam interromper a continuidade das ações criminosas, identificar e recuperar ativos frutos dos desvios, resguardar a aplicação da lei penal, a segurança de testemunhas e a retomada das Instituições Públicas.

Continua após a publicidade

Publicidade