Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Somos contra o confronto ideológico’, diz embaixador da China

Bolsonaro voltou a atacar os chineses nesta semana; em artigo, embaixador defende 'respeito mútuo e busca de convergências'

Por Robson Bonin Atualizado em 10 jun 2021, 11h14 - Publicado em 10 jun 2021, 08h30

Embaixador da China, Yang Wanming escreveu um artigo sobre “O papel dos partidos políticos na modernização da governança”, tema de um debate que foi alvo de ataques bolsonaristas nas redes, como mostrou o Radar.

Além de defender a “remodelação da ordem internacional”, uma bandeira frequente do diplomata em seus artigos, Wanming não deixou de destacar a importância de uma relação sem atritos com os governos.

“Com respeito mútuo e na busca de convergências, procuramos aprender com partidos políticos de outros países e trocar ideias sobre a governança do Estado. Não tentamos exportar nosso sistema ou modelo e somos contra o confronto ideológico”, diz Wanming.

Além de Eduardo Bolsonaro, o próprio Jair Bolsonaro continuou nesta semana a alimentar provocações contra os chineses, nosso principal parceiro comercial e principal aliado na questão das vacinas.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro volta a levantar suspeitas sobre a China e o coronavírus

O artigo do embaixador chinês:

O PAPEL DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA MODERNIZAÇÃO DA GOVERNANÇA

Continua após a publicidade

O mundo passa por mudanças sem precedentes em um século, e a peça fundamental é a remodelação da ordem internacional. Por um lado, a pandemia acelera a evolução da conjuntura mundial e do sistema de governança global, enquanto crescem o unilateralismo, o protecionismo e o bullying internacional, contrapondo-se ao multilateralismo e à globalização econômica. Aumentou-se o déficit na governança, no desenvolvimento e na paz e surgiram novos desafios globais na saúde pública, nas mudanças climáticas, na segurança da informação e no desenvolvimento sustentável. Por outro lado, apesar das dificuldades, a ascensão de economias emergentes e de países em desenvolvimento é uma tendência irreversível, e isso contribui para aprofundar o reequilíbrio de forças no cenário internacional. Além disso, a nova transformação na ciência e tecnologia e a revolução industrial avançam rapidamente e reformulam o modo de produção e a estrutura social. Organizações não-governamentais, empresas de tecnologia e outros atores não estatais estão assumindo um papel cada vez mais relevante, moldando o panorama político e econômico do mundo.

Todas essas grandes transformações trazem enormes desafios e novas oportunidades que colocam os partidos políticos de todos os países em múltiplos testes, tais como melhorar a própria construção, otimizar a capacidade de governança e consolidar a base popular. O Partido Comunista da China e os partidos políticos brasileiros nasceram com as suas respetivas missões históricas, culturas e condições nacionais, filosofias de governança e vias de desenvolvimento, mas todos enfrentam a mesma tarefa árdua de responder à tendência dos tempos e do progresso humano, além de atender às expectativas comuns do povo. Ao intensificar a nossa comunicação e aprofundar a confiança mútua e a concertação, podemos aprimorar a partilha de experiências, a melhoria da eficiência administrativa e a promoção do bem-estar da população.

Daqui a três semanas, o Partido Comunista da China vai comemorar seu centenário. Nesses 100 anos, o Partido tem unido e liderado o povo chinês a concretizar o milagre chinês que impressiona o mundo. Nos últimos anos, principalmente, sob a liderança do Comitê Central unido em torno do secretário-geral Xi Jinping, o crescimento chinês teve novas conquistas históricas e o socialismo com características chinesas entrou em uma nova era. A sabedoria política do Partido Comunista da China tem como base as realidades do país, mas também pode fornecer, à comunidade internacional, inspirações para lidar com as mudanças mundiais e superar empecilhos à governança.

Em primeiro lugar, seguir uma missão centrada nas pessoas. Desde sua fundação, o Partido Comunista da China tem como propósito primordial servir o povo de forma dedicada, tanto que levou os chineses a alcançar a independência, a liberdade e a emancipação, assim como os grandes êxitos na construção e no desenvolvimento da nação. Diante de desafios formidáveis como o enfrentamento à pandemia, o combate à pobreza, o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e a gestão do meio ambiente, o Partido chinês segue sempre o conceito de priorizar a população e sua vida ao preservar a saúde e a dignidade de cada cidadão e salvaguardar a justiça social.

Segundo, buscar um caminho autônomo e inovador. Ao combinar os princípios básicos do marxismo com as realidades da China conforme as particularidades de cada época, o Partido encontrou o caminho correto para a prosperidade, e estabelecem sistemas políticos, econômicos e sociais do socialismo. Perante novas circunstâncias, o Partido vem promovendo a modernização do sistema e da capacidade de governança nacional, elevando o nível de administração pública nos parâmetros de ciência, democracia e legalidade e fortalecendo a habilidade e o sistema do Partido para governar e liderar.

Terceiro, renovar-se constantemente para manter o vigor. Como um grande partido que tem governado, por longo período, o país mais populoso do mundo, o Partido Comunista da China sempre tem a coragem de atacar os seus próprios problemas e fazer auto-revolução. Fortalece, de forma constante, sua própria construção e a supervisão, nos termos da lei, para combater a corrupção, assegurar a unidade ideológica, política e organizacional do Partido e garantir a correta implementação de seus programas, linhas e políticas.

Por fim, manter uma atitude aberta e inclusiva para a parceria internacional. Além de buscar o bem-estar do próprio povo, o Partido Comunista da China também defende o progresso de toda a Humanidade. O Partido acredita que o desenvolvimento da China cria mais oportunidades para o mundo e compartilha com os outros países sua experiência extraída das práticas em busca dos princípios do desenvolvimento social da humanidade. O Partido sempre busca aprender com as conquistas culturais de outras nações e sempre se dispõe a desenvolver diálogo, intercâmbio e cooperação com partidos políticos e povos de todo o mundo, sem exportar o modelo chinês ou exigir que outros repliquem as práticas chinesas.

Como salientou o presidente Xi Jinping, todo o trabalho do Partido Comunista da China visa o bem-estar do povo chinês, o rejuvenescimento da nação chinesa, a paz e o progresso de toda a Humanidade. Com respeito mútuo e na busca de convergências, procuramos aprender com partidos políticos de outros países e trocar ideias sobre a governança do Estado. Não tentamos exportar nosso sistema ou modelo e somos contra o confronto ideológico. A China está disposta a fortalecer o intercâmbio com todos os setores da sociedade brasileira. Vamos compartilhar experiências em governança política e dar novas contribuições para uma comunidade de futuro compartilhado e o progresso comum da humanidade.

Continua após a publicidade
Publicidade