Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sob intervenção, Rio viu tipo de sequestro-relâmpago crescer 21% em 2018

Casos em que o assaltante obriga a vítima a sacar dinheiro

Por Gabriel Mascarenhas - Atualizado em 19 nov 2018, 18h28 - Publicado em 19 nov 2018, 13h47

Um dos tipos mais comuns de sequestro-relâmpago cresceu 21% no Rio de Janeiro nos primeiros dez meses deste ano, apesar de a segurança pública do estado estar sob intervenção federal desde fevereiro.

São situações em que o assaltante obriga a vítima a sacar dinheiro, na maiorias das vezes, em caixas eletrônicos, classificado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) fluminense como “Roubo com condução para saque”.

De acordo com os dados do ISP, apesar da presença de tanques e fardas, foram registradas 57 ocorrências dessa natureza entre janeiro e outubro, dez a mais do que as 47 contabilizadas no mesmo período do ano passado.

Na comparação entre os meses de outubro, o aumento é ainda mais significativo: 60%. Foram oito casos no mês passado, contra cinco verificados em outubro de 2017.

Continua após a publicidade
Publicidade