Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Saúde foi a pasta que mais perdeu verba com contingenciamento

  O Ministério da Saúde, às voltas com as epidemias de dengue, vírus zika e chicungunya, foi o que teve o maior corte de despesas discricionárias, em valores absolutos, entre as rubricas do Orçamento no decreto de contingenciamento editado em fevereiro. A pasta perdeu 4,88 bilhões de reais em despesas discricionárias (não obrigatórias, que permitem flexibilidade […]

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 23h21 - Publicado em 7 mar 2016, 14h22

 

Zika zero? Sem verba?

Zika zero? Sem verba?

O Ministério da Saúde, às voltas com as epidemias de dengue, vírus zika e chicungunya, foi o que teve o maior corte de despesas discricionárias, em valores absolutos, entre as rubricas do Orçamento no decreto de contingenciamento editado em fevereiro.

A pasta perdeu 4,88 bilhões de reais em despesas discricionárias (não obrigatórias, que permitem flexibilidade quanto a sua aplicação), o equivalente a 26% do total.

A segunda pasta que mais perdeu em valores absolutos foi a de Minas e Energia, com 3,18 bilhões. Proporcionalmente, no entanto, o corte foi mais profundo: equivale a 48% do total de despesas discricionárias.

 

Continua após a publicidade
Publicidade