Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Renova diz que concluiu reflorestamento em área do desastre de Mariana

Em 2015, rompimento de barragem da Vale e BHP matou 19 pessoas em MG

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 1 jul 2021, 17h43 - Publicado em 1 jul 2021, 17h30

A Fundação Renova divulgou que concluiu a restauração florestal na área atingida pelos rejeitos de mineração da barragem de Fundão, que se rompeu em novembro de 2015 em Mariana, Minas Gerais. 

A entidade foi criada em 2016 pela Vale e a BHP, as donas da barragem, por força de um Termo de Ajustamento de Conduta assinado entre as empresas, as autoridades federais e dos estados de Minas e Espírito Santo, que tiveram cidades atingidas pela onda de rejeitos que matou pelo menos 19 pessoas e afetou mais de duas centenas de propriedades rurais.  

Segundo a fundação divulgou, até o momento foram gastos cerca de 356 milhões de reais para a reparação de cerca de 550 hectares de florestas e Áreas de Preservação Permanente (APPs) localizadas nos municípios atingidos de Mariana, Barra Longa, Rio Doce, Santa Cruz do Escalvado e Ponte Nova (Alto Rio Doce). 

As regiões receberam em torno de 300 mil mudas de 96 espécies nativas diferentes, segundo a Renova, que divulgou também fotos do antes e depois do trabalho de reflorestamento. Compare a foto que ilustra essa nota, depois dos trabalhos de plantio de mudas, com a abaixo, tirada em 2015, pouco depois do rompimento da barragem.

Imagem do desastre Mariana (MG). Região afetada em 2015. Imagem divulgada pela Fundação Renova antes de trabalhos de reflorestamento
Imagem de região do desastre Mariana (MG) em 2015, antes do trabalho de reflorestamento. Fundação Renova/Divulgação
Continua após a publicidade
Publicidade