Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na hora da verdade para Regina e Bolsonaro, veja o que está em jogo

Almoço será o primeiro tête-à-tête entre presidente e atriz desde sua posse na Secretaria de Cultura

Por Mariana Muniz - Atualizado em 6 Maio 2020, 07h48 - Publicado em 6 Maio 2020, 07h30

Regina Duarte terá nesta quarta-feira o primeiro encontro cara a cara com Jair Bolsonaro desde que assumiu e virou refém dos ministros e olavetes do governo.

O clima para a reunião não é dos melhores, mas poderia ser pior: interlocutores da secretária afirmam que a decisão do Planalto de revogar a nomeação do maestro Dante Mantovani para a Funarte ajudou a acalmar os ânimos e adiar o divórcio entre a namoradinha do Brasil e o presidente.

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Amigos da atriz contam que ela está no limite. Ao saber pela imprensa da recondução de Dante, demitido por ela logo no seu primeiro dia de gestão, ficou sem entender. A seus fiadores dentro do governo, a atriz se apresentou triste e confusa, mas sem chegar ao ponto de usar um tom ameaçador.

A postura “doce” surtiu efeito imediato, mas ainda não foi suficiente para que Regina se sinta confortável na função que foi convidada a assumir ainda no início do ano. O encontro desta quarta-feira, para o qual a atriz se prepara desde a segunda-feira, vai dar o tom da permanência ou não da atriz no governo.

Publicidade