Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Radar TVeja: Condenações devem acelerar acordos de delação

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos e 4 meses de prisão na primeira das ações a que responde na Lava-Jato. O juiz Sergio Moro também condenou o ex-presidente da maior empreiteira do país a uma pesada multa em dinheiro. A sentença atingiu também outros três executivos da empresa e figurinhas carimbadas do […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h20 - Publicado em 8 mar 2016, 20h55

http://videos.abril.com.br/veja/id/2f7527d9e1220f479fc5ab0e32bc3c89?

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos e 4 meses de prisão na primeira das ações a que responde na Lava-Jato.

O juiz Sergio Moro também condenou o ex-presidente da maior empreiteira do país a uma pesada multa em dinheiro.

A sentença atingiu também outros três executivos da empresa e figurinhas carimbadas do petrolão, como o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, o ex-gerente Pedro Barusco e o doleiro Alberto Yousseff.

Duque, que vem num delata-não delata desde o ano passado, deve finalmente ceder e tentar contar o que sabe à força-tarefa. Ele era o homem do PT, mais especificamente de José Dirceu, na diretoria da petrobras.

O mesmo empurrãozinho deve ser dado no núcleo Odebrecht da operação. Marcelo viu que Moro não blefou ao mantê-lo preso desde junho e avançar na rede financeira da empresa no exterior.

Ele e os outros diretores negociam, e agora devem acelerar essa negociação, os termos de uma colaboração que pode ser a mais explosiva até aqui, por envolver diretamente o ex-presidente Lula e a campanha de Dilma Rousseff.

Continua após a publicidade
Publicidade