Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quem traiu?

Michel Temer e o restante da turma que trabalhou pela manutenção do PMDB na chapa de Dilma Rousseff começaram a mapear as traições da Convenção Nacional do partido, lógico. Como se previa, o diretório fluminense votou em peso contra a coligação com o PT. Na Bahia, panorama semelhante. Os peemedebistas ligados a Temer, ao fim […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 03h41 - Publicado em 10 jun 2014, 20h33
Trabalhando pela reunião

Voto na berlinda

Michel Temer e o restante da turma que trabalhou pela manutenção do PMDB na chapa de Dilma Rousseff começaram a mapear as traições da Convenção Nacional do partido, lógico.

Como se previa, o diretório fluminense votou em peso contra a coligação com o PT.

Na Bahia, panorama semelhante. Os peemedebistas ligados a Temer, ao fim da apuração, apostavam que Geddel Vieira Lima não cumpriu e promessa e foi às urnas para derrubar a dobradinha (Leia mais aqui).

Outras surpresas partiram das bancadas de Goiás, Paraná, Rio Grande do Sul e Ceará, onde o PT resiste em anunciar apoio a Eunício Oliveira. Temer esperava mais votos favoráveis à aliança nesses estados.

Dois diretórios entalaram na goela da ala governista do PMDB por causa do número de faltas. Dez ausentes eram da Paraíba, estado em que o PMDB também não sabe se poderá contar com o PT ficará. De Santa Catarina, oito não apareceram na convenção.

Continua após a publicidade
Publicidade