Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PSB vai ao STF pedir suspensão da prova de vida do INSS

Pai de vice-presidente do partido morreu no final de junho de Covid-19, após ter ido a uma agência do banco realizar procedimento

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 5 jul 2021, 09h53 - Publicado em 5 jul 2021, 08h30

O PSB foi ao Supremo Tribunal Federal na última semana pedir o fim da volta da prova de vida para aposentados e pensionistas do INSS.

A exigência do procedimento havia sido suspensa em março de 2020, no início da pandemia, e foi restabelecida, de forma definitiva, em maio de 2021.

O segurado que não realiza a prova de vida na data determinada pelo INSS corre o risco de ter o benefício bloqueado.

O pedido ao STF foi feito após o pai do vice-presidente do partido, Beto Albuquerque, morrer de Covid-19, depois de ter ido até a agência do banco fazer o procedimento. A mãe de Albuquerque, que acompanhou o marido, também contraiu a doença e está internada.

LEIA TAMBÉM: Golpes no consignado: INSS e conselho presidido por Guedes são notificados

No texto pleiteado ao STF, o partido pede o reconhecimento da inconstitucionalidade da portaria do INSS que determinou a volta da exigência da prova de vida, de maio deste ano, e diz que a retomada é uma “flagrante violação dos direitos fundamentos à vida e à saúde”.

A ação justifica ainda que, segundo dados do próprio INSS, há cerca de 12 milhões de pessoas — em sua ampla maioria idosos — que estão com a prova de vida pendente, e que o deslocamento desse público até as agências configuraria alto risco de contaminação.

Continua após a publicidade
Publicidade