Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Próximos quatro meses serão cruciais para o governo Temer, diz Eurasia

Mesmo com a queda precoce de Romero Jucá, a Eurasia manteve as chances de o impeachment não passar pelo Senado em 20%. Caso o impedimento passe, o cálculo é que há 25% de probabilidade de Temer não terminar mandato, com o governo minado por denúncias da Lava-Jato. À coluna, o chefe de análise de Brasil da consultoria de […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 22h39 - Publicado em 23 Maio 2016, 19h10
Garman, da Eurasia: Risco da Lava-jato foi subestimado

Garman, da Eurasia: Risco da Lava-jato foi subestimado

Mesmo com a queda precoce de Romero Jucá, a Eurasia manteve as chances de o impeachment não passar pelo Senado em 20%. Caso o impedimento passe, o cálculo é que há 25% de probabilidade de Temer não terminar mandato, com o governo minado por denúncias da Lava-Jato.

À coluna, o chefe de análise de Brasil da consultoria de risco político, Christopher Garman, disse que o episódio de hoje traz um desgaste e pode mudar a narrativa. “Os próximos três ou quatro meses serão cruciais”, disse, acrescentando que a maior parte das delações deve acontecer neste período – inclusive, sem descartar a possibilidade de que até mesmo Eduardo Cunha recorra ao expediente, caso seja cassado.

“Se existiu um erro de cálculo por parte dos analistas foi subestimar o escopo e o alcance da Lava-Jato. Os acontecimentos de hoje validam nosso cenário”, disse.

Por enquanto, a avaliação é que o episódio de Jucá, isolado, não tem poder para derrubar o governo e nem comprometer a agenda de reformas – temor expresso pelo mercado financeiro, com queda do Ibovespa e alta do dólar.

“Há uma base ampla no Congresso e rede de articulares, conduzindo os trabalhos. Tem como se recompor. Acho que as reformas econômicas devem acontecer, sem mudança radical, mas com medidas que podem dar certo alívio”, pondera.

Continua após a publicidade
Publicidade