Clique e assine com 88% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Procurador pede ao TCU pente-fino nos R$ 48 milhões gastos pelo BNDES

MP quer apuração sobre contratação de escritórios para abrir 'caixa-preta' do banco

Por Mariana Muniz - 24 jan 2020, 15h37

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu nesta sexta-feira à Corte que verifique a regularidade do gasto de 48 milhões de reais pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a contratação de dois escritórios de advocacia para abrir a “caixa-preta” da estatal.

O documento foi encaminhado ao presidente do TCU, ministro José Múcio.

Na segunda-feira, o jornal Estado de São Paulo revelou que o banco contratou as bancas, uma em Nova York e outra no Rio de Janeiro, para conduzir uma auditoria interna e investigar oito operações entre o BNDES e os grupos JBS, Bertin e Eldorado Celulose entre 2005 e 2018.

Na representação, o subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado aponta que é necessário aprofundar a investigação para apurar todos os fatos “sob a ótica do controle externo”.

Publicidade

O objetivo, segundo ele, é verificar “se o valor do contrato está de acordo com o praticado no mercado” e se a contratação dos escritórios “foi realizada segundo a legislação afeta à matéria”.

 

Publicidade