Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PGR estava decidida a pedir suspeição de Gilmar no caso Aécio

Agora, o ministro relata um inquérito do réu com quem articulava votações no Congresso

Por Gabriel Mascarenhas 27 jun 2017, 06h28

A PGR iria pedir a suspeição de Gilmar Mendes caso o pedido de prisão de Aécio Neves fosse encaminhado ao plenário, o que acabou não ocorrendo.

Pois bem, agora Gilmar é o relator de um dos inquéritos sobre o senador, aberto a partir da delação da Odebrecht.

A tomar pela lógica que prevalecia até outro dia na PGR, Rodrigo Janot tende a pleitear a suspeição do ministro, baseado no telefonema, grampeado com autorização judicial, em que o réu pede o juiz para entrar em contato com um senador.

Refrescando a memória: no referido diálogo, Aécio solicita que Gilmar ligue para Flexa Ribeiro na tentativa de convencê-lo e votar junto com o senador mineiro no projeto que endureceu as punições por abuso de autoridades.

Continua após a publicidade
Publicidade