Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF faz buscas no Senado e no apartamento funcional de Serra em Brasília

Ação do braço eleitoral da Lava-Jato mira caixa dois na campanha do tucano a senador em 2014

Por Robson Bonin Atualizado em 21 jul 2020, 09h16 - Publicado em 21 jul 2020, 07h45

As buscas da Operação Lava-Jato nesta terça contra José Serra também ocorrem no apartamento funcional do tucano em Brasília e no gabinete dele no Senado. Os endereços do senador em São Paulo também foram alvos dos agentes da Polícia Federal.

A Operação Paralelo 23, terceira fase do braço eleitoral da Lava-Jato em São Paulo. São cumpridos quatro mandados de prisão temporária e 15 de busca e apreensão em São Paulo e Distrito Federal.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

Um dos alvos de mandado de prisão é o empresário José Seripieri Filho, o Júnior, fundador e ex-presidente da Qualicorp.

Há ainda ordens de bloqueio judicial de contas bancárias dos investigados, determinados pela 1ª Zona Eleitoral de São Paulo de São Paulo.

O caso foi remetido à primeira instância da Justiça Eleitoral paulista ainda em meados de 2019, com a colaboração espontânea de agentes que teriam sido contratados para estruturar e operacionalizar os pagamentos de doações eleitorais não contabilizadas, efetuados supostamente a mando de Júnior para a campanha de Serra.

As investigações constataram a existência, segundo a Lava-Jato, de “fundados indícios do recebimento por parlamentar federal de doações eleitorais não contabilizadas, repassadas por meio de operações financeiras e societárias simuladas, visando assim ocultar a origem ilícita dos valores recebidos, cujo montante correspondeu à quantia de 5 milhões de reais”.

Com o decorrer das investigações, segundo a Lava-Jato, “apurou-se ainda a existência de outros pagamentos, em quantias também elevadas e efetuados por grandes empresas, uma delas do setor de nutrição e outra do ramo da construção civil, todos destinados a uma das empresas supostamente utilizadas pelo então candidato para a ocultação do recebimento das doações”.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro, com penas de 3 a 10 anos de prisão, sem prejuízo de responderem por outros crimes que possam ser descobertos ao longo da investigação.

Por se tratar de parlamentar no exercício do mandato de Senador Federal, as investigações em primeira instância se restringem, em relação a ele, aos fatos apurados no ano de 2014. Em relação aos demais investigados, a ação policial também busca provas da atualidade da prática de crimes conexos.

Continua após a publicidade
Publicidade