Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Perigo nos ares

A Anac – e olha que não foi Rubens Vieira hoje o seu mais notório diretor – não parece lá muito rigorosa quando o assunto é habilitação de pilotos. A gerência de vigilância de operações da agência, responsável por autorizar a operação de helicópteros e tripulantes que voaram e pousaram na área do GP Brasil […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 07h19 - Publicado em 30 nov 2012, 09h27

Nos ares

A Anac – e olha que não foi Rubens Vieira hoje o seu mais notório diretor – não parece lá muito rigorosa quando o assunto é habilitação de pilotos.

A gerência de vigilância de operações da agência, responsável por autorizar a operação de helicópteros e tripulantes que voaram e pousaram na área do GP Brasil de Fórmula-1 no domingo, liberou pelo menos três tripulantes com habilitações de voo vencidas: Michael Rogers, Jorge Eurico Faria e Renato Lopes.

Em geral, eram helicópteros de empresas e ricaços.

Continua após a publicidade
Publicidade