Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pela hora da morte, Minha Casa Minha Vida tem raio-x de dez anos

Levantamento do governo revela em números a alma estatal do Minha Casa Minha Vida

Por Robson Bonin - 21 out 2019, 07h02

Com o novo programa de moradia popular prestes a ser lançado, o governo realizou um estudo sobre a evolução do programa Minha Casa Minha Vida nos últimos 10 anos.

Pela hora da morte, o programa criado nos governos do PT tem sua alma cravada nos cofres estatais. O estudo mostra que a Caixa foi o principal banco a financiar o sonho da casa própria das famílias populares na última década.

Presente em 97% do território nacional, o banco estatal contratou no período 4,6 milhões de moradias contra 362.427 unidades do Banco do Brasil, o concorrente estatal.

O número de financiamentos nos bancos privados é um grão de areia no deserto. O Santander, que mais contratou unidades, chegou a 2.311 no período. O gigante Bradesco não atuou no programa. O Itaú tocou 16 unidades. Outros bancos somados representam 602 unidades.

Publicidade

Comparando os dados por região, outra conclusão interessante. Sul e Sudeste, as regiões mais desenvolvidas do país, foram também as que mais receberam casas do programa. Veja a relação:

Norte teve 139.796 unidades

Nordeste teve 943.541 unidades

Centro-Oeste teve 570.130 unidades

Publicidade

Sudeste teve 1.936.948 unidades

Sudeste teve 1.026.430 unidades

Publicidade