Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pedro Paulo quer punir quem o chamou de agressor

Deputado chegou a ser investigado por agressão à ex-mulher, Alexandra Marcondes. Inquérito acabou arquivado

Por Luisa Bustamante 19 out 2017, 10h33

O deputado federal Pedro Paulo Carvalho (PMDB-RJ), que já foi protagonista de uma novela judicial envolvendo agressão à mulher, pediu à Justiça que uma estudante responsável pela página na internet ‘Mulheres contra Pedro Paulo’ seja processada por calúnia, injúria e difamação.

O perfil no Facebook foi criado pela universitária Daniela Orofino em março de 2016. Na época, o parlamentar, que viria a disputar (e perder) as eleições para a prefeitura do Rio, era investigado no Supremo Tribunal Federal sob acusação de ter batido na ex-mulher, Alexandra Marcondes. Daniela foi ouvida nesta terça-feira (17) na Polícia Federal.

Pedro Paulo chegou a admitir, em coletiva de imprensa, ter batido na ex-companheira, mas o caso não foi adiante — o inquérito acabou arquivado a pedido do ex-procurador-geral Rodrigo Janot em 17 de agosto de 2016.

Dez dias depois, o então candidato e a coligação do PMDB na disputa eleitoral entraram com a ação, alegando “ataques à honra e propaganda negativa” contra ele. A acusação do parlamentar questiona postagens que contêm a hashtag #pedropaulobateemmulher.

O caso é investigado pela Polícia Federal por ter sido enquadrado como crime eleitoral. No depoimento a policiais, Daniela afirmou que as publicações questionadas por Pedro Paulo não eram de sua autoria, e que a página tinha a colaboração de uma dezena de outras mulheres.

“É uma tentativa de intimidação para que outras não se pronunciem sobre esse ou quaisquer casos de eventuais representantes políticos acusados de agredir mulheres”, afirmou Daniela.

A estudante também é assessora parlamentar do deputado estadual Marcelo Freixo (Psol), rival de Pedro Paulo durante as eleições municipais do ano passado, e que também foi derrotado. De acordo com ela, a criação da página não teve influência do psolista.

“Ele não interfere na minha militância, e isso sequer foi questionado pelo delegado. Além disso, a notícia sobre a acusação de que Pedro Paulo bateu na ex-mulher estava em todos os veículos de imprensa na época e era extensivamente debatida”, diz.

 

Continua após a publicidade
Publicidade