Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Conteúdo para assinantes

PDT vai pedir na Justiça mandato de dissidente que deixar o partido

Carlos Lupi, presidente da legenda, irá ao TSE pedir de volta o mandato de quem deixar a legenda nesse momento

Por Evandro Éboli - Atualizado em 17 jul 2019, 21h37 - Publicado em 17 jul 2019, 14h15

O PDT está impiedoso com os deputados “dissidentes” que votaram a favor da reforma da Previdência. O presidente da legenda, Carlos Lupi, contou ao Radar que qualquer um dos oito parlamentares que decidir deixar o partido nesse momento corre o risco de perder o mandato. O PDT, disse Lupi, irá à Justiça Eleitoral.

“Quem tomar uma atitude dessas (deixar o partido) terá que assumir as consequências. Pela jurisprudência firmada, sim, perde o mandato quem sair deliberadamente da legenda. Mas sabe como é cabeça de juiz… A gente nunca sabe o que vem”, disse Lupi.

O presidente destacou entre as decisões tomadas nesta quarta a de proibir que o PDT abrigue pessoas egressas de grupos privados. Uma clara alusão a deputada Tabata Amaral, vinculada ao grupo RenovaBR.

“Não aceitaremos ser legenda de aluguel para pessoas financiadas por grupos privados. Isso vai acabar”.

Continua após a publicidade

O PDT decidiu abrir processo contra oito “dissidentes” que agora deixam suas funções nas direções estaduais do partido por sessenta dias – Tabata, por exemplo, é vice-presidente do diretório em São Paulo.

Publicidade