Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pazuello quer direito ao silêncio para não se incriminar na CPI, diz AGU

Petição visa ainda que o ex-ministro "não venha sofrer qualquer ameaça de tipificação de crime de falso testemunho e/ou ameaça de prisão em flagrante"

Por Gustavo Maia 13 Maio 2021, 18h14

Um dos trechos do habeas corpus apresentado há pouco pela AGU ao Supremo para garantir ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello o “direito ao silêncio” durante depoimento na CPI da Pandemia no Senado, marcado para a próxima quarta-feira, deixa claro o principal objetivo da medida: evitar que o general da ativa do Exército produza provas contra si mesmo e possa ser preso em flagrante por falso testemunho.

“Considerando o justo receio de constrangimentos a serem impingidos ao impetrante/paciente, embora tenha sido notificado para prestar depoimento como testemunha, deve ser a ele garantida a prerrogativa constitucional de não produzir prova contra si mesmo, resguardando-se, portanto: (i) o direito de responder as perguntas que, a seu juízo, não configurem violação àquela prerrogativa; e (ii) em razão do exercício desse direito, não venha sofrer qualquer ameaça de tipificação de crime de falso testemunho e/ou ameaça de prisão em flagrante”, diz a petição, assinada pelo ministro da Advocacia-Geral da União, André Mendonça.

Publicidade