Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Parceiro de Bolsonaro na Covaxin é processado por calote no Sírio-Libanês

O empresário da Precisa, Francisco Maximiano, ficou internado no hospital em 2019 e deixou uma dívida que chega, com juros, a 90.000 reais

Por Robson Bonin Atualizado em 24 jun 2021, 17h28 - Publicado em 25 jun 2021, 06h01

Pivô do escândalo da vacina, o empresário da Precisa, Francisco Maximiano, é alvo de uma ação na Justiça movida pelo Hospital Sírio-Libanês. Internado em 2019, Maximiano, segundo o hospital, deu um calote que chega, com juros, a 90.000 reais.

Na ação, movida contra Maximiano no início de maio, o hospital diz que o empresário chegou a desembolsar 20.000 reais pela internação, mas deixou 51.204 reais pendurados. Maximiano admite a “prestação de serviço”, mas se diz vítima de “excesso de cobrança”.

Publicidade