Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O procurador que tem nas mãos o pedido de prisão de Sara Winter

PGR considera urgente responder ao avanço dos aloprados bolsonaristas contra as instituições; caso foi remetido ao MPF do DF na sexta

Por Robson Bonin - Atualizado em 2 Jun 2020, 00h05 - Publicado em 1 Jun 2020, 13h06

O procurador Frederick Lustosa de Melo, do MPF em Brasília, recebeu na sexta-feira a inicial da PGR, já com o pedido de prisão preventiva contra Sara Winter escrito pela procuradoria-geral da República.

O material foi acompanhado de evidências e o devido cruzamento de dispositivos jurídicos que justificam, na avaliação da PGR, a ação mais dura contra a militante bolsonarista que ameaçou o ministro Alexandre de Moraes.

Diante da lentidão em tocar o caso, o procurador foi cobrado pela procuradora Luiza Frischeisen. A PGR considera urgente responder ao avanço dos aloprados bolsonaristas contra as instituições.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

Sara Winter está na lista de alvos do inquérito das fake news. Depois de receber a visita da Polícia Federal na semana passada, ela ameaçou o relator da investigação, como mostrou o Radar.

Continua após a publicidade

“Não vão me calar, de maneira nenhuma. Pelo contrário.. Pois agora..Pena que ele mora em São Paulo. Se morasse aqui já estava na frente da casa dele convidando para trocar soco comigo. Queria trocar soco com esse fdp (xingamento), esse arrombado. Infelizmente, não posso. Pois me aguarde, sr. Alexandre de Moraes. Nunca mais vai ter paz na sua vida. Descobrir os lugares que o senhor frequenta. Vamos infernizar sua vida, até o senhor pedir para sair. Hoje o sr. tomou a pior decisão da sua vida”, diz Sara Winter no vídeo, gravado após a ação da PF na sua residência.

Publicidade