Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O marajá e a madrinha

A proximidade com Lula não garantiu à notória Rosemary Noronha apenas favores, passeios em navios e indicações para cobiçados cargos no serviço público. Entrar para a lista dos afilhados de Rose valia um passaporte para a vida mansa, que o diga o seu ex-marido: José Cláudio Noronha. Nos três anos e meio em que integrou […]

Por Da Redação - Atualizado em 18 fev 2017, 09h10 - Publicado em 8 fev 2013, 10h07

Poderosa madrinha

A proximidade com Lula não garantiu à notória Rosemary Noronha apenas favores, passeios em navios e indicações para cobiçados cargos no serviço público.

Entrar para a lista dos afilhados de Rose valia um passaporte para a vida mansa, que o diga o seu ex-marido: José Cláudio Noronha.

Nos três anos e meio em que integrou conselhos administrativos da Brasilprev e da antiga Aliança do Brasil, Noronha recebeu 132 000 reais sem precisar sair de casa.

Continua após a publicidade

Como era suplente nos dois colegiados e o titular nunca faltou, Noronha jamais participou de uma reunião sequer, mas a remuneração era depositada em sua conta-corrente todos os meses, religiosamente Receber esse dinheiro, ressalte-se, não é ilegal; é apenas imoral, dada a forma como conseguiu ser nomeado.

A renda complementar só foi cortada quando as tramóias de sua madrinha foram descobertas pela PF. Os números que engordaram o caixa do marajá José Noronha foram enviados pelo próprio Banco do Brasil ao gabinete do deputado Rubens Bueno.

Publicidade