Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O desafio fiscal de Temer: uma conta de R$ 300 bilhões

Uma conta feita pelo banco UBS dá a medida do desafio a ser enfrentado por Temer na economia – e mostra que, enquanto o namoro do vice com o mercado começou promissor, o casamento pode se provar não tão fácil assim. Nos cálculos da equipe liderada por Guilherme Loureiro, o governo precisa de nada menos que 300 bilhões de […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 22h49 - Publicado em 5 Maio 2016, 13h12
Temer: Nem medidas impopulares são suficientes para estancar a sangria

Temer: Nem medidas impopulares são suficientes para estancar a sangria

Uma conta feita pelo banco UBS dá a medida do desafio a ser enfrentado por Temer na economia – e mostra que, enquanto o namoro do vice com o mercado começou promissor, o casamento pode se provar não tão fácil assim.

Nos cálculos da equipe liderada por Guilherme Loureiro, o governo precisa de nada menos que 300 bilhões de reais para conseguir estabilizar a relação entre dívida e PIB, que vem em trajetória explosiva.

O problema é de onde tirar esse dinheiro. Mesmo as medidas impopulares de aumento de impostos e corte de gastos trariam um alívio de “apenas” 240 bilhões de reais, levando à necessidade de venda de ativos ou alternativas, como utilização de reservas cambiais, para estancar a sangria fiscal.

Do lado da tesoura nas despesas, ainda que sejam aprovados o congelamento nos programas habitacionais e nos salários dos servidores públicos, desindexação dos benefícios sociais do salário mínimo, o fim do abono salarial e o aumento da idade mínima para aposentaria, a economia seria de “apenas” 95 bilhões de reais.

Já na dolorosa frente de aumento de impostos – que Skaf não nos ouça –, o retorno da CPMF e o aumento da Cide e do Pis/Cofins da gasolina, associada à redução de benefícios tributários, como desoneração da folha de pagamento, a receita extra seria de 144 bilhões de reais — isso se o país voltar a crescer à taxa de 2% ao ano.

Conclui o banco, em relatório: “Enquanto reformas extensivas podem ser possíveis, é preciso ter em mente que conquistá-las não vai ser fácil, e o risco de decepções no médio prazo não é baixo”.

 

Continua após a publicidade
Publicidade