Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O afago de Lula a Tatto após a derrota nas urnas

Ex-presidente deu um brinde de consolação ao correligionário

Por Gabriel Mascarenhas Atualizado em 24 nov 2020, 18h36 - Publicado em 25 nov 2020, 09h21

Lula almoçou com Jilmar Tatto na semana seguinte ao primeiro turno da eleição municipal, da qual o candidato do PT à prefeitura de São Paulo saiu num constrangedor sexto lugar.

Não era para menos. No dia da votação, ainda de manhã, o próprio Lula reconheceu publicamente que o correligionário havia morrido na praia. A declaração irritou profundamente o núcleo duro da campanha de Tatto

Como de hábito, na tentativa de reparar o tiro contra o patrimônio, Lula deu um prêmio de consolação ao derrotado, no caso de Tatto, um brinde. Designou-o para comandar os termos da aliança do PT com Guilherme Boulos no segundo turno.

Para valorizar o gesto, Lula alegou que figurões do partido estavam de olho do posto – gente próxima a Tatto tem certeza de que se tratava de Fernando Haddad.

 

Continua após a publicidade

Publicidade