Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Novas suspeitas para origem do óleo que ‘banha’ praias do Nordeste

É improvável que o óleo tenha partido da Venezuela

Por Pedro Carvalho - Atualizado em 28 out 2019, 15h43 - Publicado em 28 out 2019, 15h20

Estudos de pesquisadores do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (INEEP) apontam novos argumentos para a identificação do óleo vazado na costa brasileira e a dificuldade de saber se ainda há mais produto manchando o mar.

Uma da suspeitas é que o vazamento tenha partido de navios-tanque, que trafegam em alto mar sem rastreamento.

É cada vez mais recorrente a prática de se desligar os transmissores para que os navios não possam ser rastreados por satélite com o intuito de burlar as barreiras e tarifas. É o chamado off transponder, que configura uma verdadeira frota crescente de “petroleiros piratas”.

Os indícios aumentam a probabilidade de que o problema esteja relacionado não à produção, mas sim à circulação de petróleo. Por esta razão, a Marinha acredita que o vazamento pode estar ligado a um outro acidente, já que nas costas de Sergipe e Alagoas foram encontrados recentemente tambores, bombas, frascos e alguns barris com a inscrição “Argina S3 30”, que identifica um óleo lubrificante da Shell. Mas o óleo da Shell pode ter sido vazado por outras empresas que compraram os barris. Se o vazamento tiver acontecido durante uma transferência clandestina de óleo entre navios não é possível saber se a quantidade encontrada é a total ou se ainda há mais óleo por aparecer.

Publicidade

Os pesquisadores lembram que a capacidade de um tanque de navio-petroleiro é de cerca de 3.000 toneladas de óleo. Além disso, em contato com a água, o material pode entrar em processo de emulsificação e aumentar o seu volume em até quatro vezes, chegando a 12 mil toneladas, sem considerar a absorção de areia que pode torná-lo ainda mais pesado.

De acordo com os pesquisadores do INEEP, apesar dos primeiros apontamentos indicarem, em uma hipótese preliminar, que o óleo poderia ser de procedência venezuelana, é muito improvável que as machas de óleo tenham descido diretamente da Venezuela em direção ao Brasil. A região é impactada pela Corrente Marítima da Guiana que orienta a maré no sentido contrário ao das manchas.

Publicidade