Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na “contramão” do governo, Fiocruz está sob ataque do Ministério da Saúde

Posições como defesa do lockdown no Rio e críticas ao protocolo da cloroquina incomodaram militares da nova gestão

Por Evandro Éboli Atualizado em 22 Maio 2020, 11h59 - Publicado em 21 Maio 2020, 17h48

Há uma querela dentro do governo que não é pouca coisa. As posições adotadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nesse combate a epidemia incomodam o Ministério da Saúde.

A Fiocruz é vinculada a essa pasta.

Essa indisposição ganhou corpo com a chegada dos militares ao ministério. Duas manifestações em especial da fundação incomodaram: uma nota da presidência da Fiocruz, de 06 de maio, favorável à adoção do lockdown no Rio e a postura crítica de pesquisadores da instituição ao protocolo do ministério que flexibiliza o uso da cloroquina.

Integrantes da nova gestão do ministério reduzem a Fiocruz a um espaço vinculado ao PT e que não atua alinhada com Brasília.

Não à toa o ministério incumbiu a secretária de Gestão e Trabalho, Mayra Pinheiro, para a coletiva no Planalto que explicou o novo protocolo da cloroquina.

É uma defensora ardorosa da cloroquina e também uma fervorosa antipetista. Disputou uma vaga no Senado em 2018 pelo PSDB, mas colou sua imagem a de Jair Bolsonaro. Foi levada para o ministério por Henrique Mandetta, mas segue no governo.

Continua após a publicidade

A secretária apresentou o protocolo da cloroquina como um “clamor popular”, para conter a expansão de casos e mortes no país.

Esse novo grupo discute interferir de alguma maneira no processo de escolha na Presidência da Fiocruz, que terá eleição ano que vem. É um processo interno, no qual uma lista tríplice é enviada ao presidente da República. A pesquisadora Nísia Trindade é a atual presidente, num mandato que dura três anos.

No ministério, há um incômodo específico com a vice-presidência de Educação, Informação e Comunicação.

Em nota, a Fiocruz informou que tem recebido recursos expressivos do ministério para ações contra a Covid-19, como o Centro Hospitalar para a Pandemia Covid-19 ,que começou a funcionar esta semana e que recebeu R$ 184,1 milhões para atuar nesse combate. Cita também um ensaio clínico que prevê redução em 80% do tempo para geração de evidências sobre os tratamentos.

A instituição informou que a nota técnica em defesa do lockdown no Rio foi uma foi uma resposta a um ofício do Ministério Público do Rio, encaminhado à instituição no dia 3 de maio. A Fiocruz não divulgou nota institucional sobre a cloroquina. Ocorreram manifestações individuais de alguns de seus pesquisadores. A fundação aposta nos resultados do Solidarity para disseminar amplamente as possibilidades terapêuticas resolutivas diante desta grave epidemia.

A Fiocruz enaltece o trabalho de sua Vice-Presidência de Ensino, Informação e Comunicação, em especial seus cursos online. Por fim, nega sua vinculação com qualquer partido político.

 

Continua após a publicidade
Publicidade