Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

MP assume investigação do caso Compactor, a empresa da caneta de Bolsonaro

Caneta ganhou projeção após ser utilizada por Bolsonaro na posse

Por Ernesto Neves - Atualizado em 13 jun 2019, 17h53 - Publicado em 7 jun 2019, 19h05

É iminente mais uma busca e apreensão sobre o caso Compactor, a empresa da caneta usada pelo presidente Jair Bolsonaro para assinar o termo de posse.

Isso porque venceu na última quinta (6) o prazo dado pelo Ministério Público do Rio para que o Instituto de Criminalística Carlos Eboli entregasse todos os documentos apreendidos na sede da Compactor.

A apreensão foi realizada em janeiro de 2018, com o objetivo de apurar suspeitas de crimes financeiros da empresa e seus controladores.

A decisão do MP de assumir o caso foi tomada diante da inércia do Instituto Carlos Éboli, que descumpriu o prazo de conclusão da perícia.

Continua após a publicidade

A Compactor tem sede em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Atualização:

A Compactor afirma que está colaborando com as autoridades e que, se houve descumprimento do prazo, não foi de responsabilidade da companhia.

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Publicidade