Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Movimento contra plantio da maconha medicinal apela a vídeo com crianças

Uma menina e um menino falam frases decoradas como "tem uma lei que vai liberar a maconha" e que "a maconha será como o a bebida e o cigarro"

Por Evandro Éboli Atualizado em 8 set 2020, 10h42 - Publicado em 8 set 2020, 10h17

Circula em grupos que fazem campanha contra a aprovação do projeto que prevê o plantio da cannabis para fins medicinais um apelativo vídeo com depoimento de um menino e de uma menina.

Nessa peça, o casal de crianças, devidamente treinadas e orientadas por marmanjos irresponsáveis, alternam as seguintes frases: “nosso futuro está em perigo/ tem uma lei que vai liberar a maconha/ eles falam que é medicinal, mas isso é mentira/ a maconha vai ser como a bebida e o cigarro/ todo mundo vai usar/ as crianças vão ser prejudicadas/ por favor, vote contra essa lei”.

O vídeo circula também entre os setores do governo. Mas não aparece quem produziu. A principal resistência ao projeto na Esplanada está no ministério de Damares Alves

ASSINE VEJA

Os riscos do auxílio emergencial Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com Queiroz
Clique e Assine

A peça traz apenas o #PL399não, hashtag da campanha contra a aprovação do texto do relator Luciano Ducci (PSB-PR), que prevê o plantio apenas para instituições que trabalham com esse tema, e não para pessoas físicas.

O Estatuto de Criança e do Adolescente (ECA) considera crime submeter criança ou adolescente a vexame ou a constrangimento com pena prevista de seis meses a dois anos de detenção.

Abaixo, uma imagem do vídeo, onde o menino diz que “tem uma lei que vai liberar a maconha”.

///Reprodução

 

Continua após a publicidade
Publicidade