Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Moro poderia ser impedido de julgar ex-advogado da Odebrecht

Não fosse o Ministério Público Federal

Por Da Redação Atualizado em 4 set 2017, 17h30 - Publicado em 2 set 2017, 16h00

O juiz Sergio Moro poderia ser impedido de julgar o ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran não fosse o Ministério Público, que, estranhamente, ocultou uma resposta da Receita Federal que investigou o acusado.

Há dois anos, pelo menos, a força tarefa da Lava-Jato em Curitiba sabe que o escritório de advocacia Zucoloto, do qual Rosângela Moro, esposa do juiz, foi sócia, era correspondente na cidade paranaense do escritório de Duran. Essa informação consta na resposta enviada pela Receita Federal ocultada dos autos pelo Ministério Público.

Caso este documento constasse nos autos, o impedimento de Moro poderia ser questionado.

Duran foi acusado de lavagem de dinheiro e de formação de organização criminosa pelo Ministério Público Federal. Chegou a ser detido na Espanha, mas libertado pouco depois. Por obter dupla cidadania, está no país basco desde então. Livre e tecendo duras críticas à Lava-Jato. 

Quadro de funcionários, correspondentes e colaboradores do escritório de Tacla Duran; destacado, o nome de Rosângela Moro Reprodução/Reprodução

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade