Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Moro atua para barrar CPI que pode investigá-lo no Congresso

Deputado Capitão Augusto (PL-SP) tem mantido o ministro informado sobre cada assinatura que consegue retirar; parlamentar diz que governo nada fez

Por Evandro Éboli - Atualizado em 30 jul 2020, 19h26 - Publicado em 13 set 2019, 17h27

Bateu o desespero da base de apoio a Sergio Moro no Congresso Nacional. A oposição protocolou nesta sexta-feira, 13, pedido de abertura de uma CPI para investigar as relações do Ministério Público do Paraná com o então juiz Moro.

O pedido de CPI, assinado por oito parlamentares da oposição,  cita uma “suposta articulação” entre os procuradores e o ex-juiz, com base nas revelações do The Intercept.

Talvez o principal defensor de Sergio Moro na Câmara, o deputado Capitão Augusto (PL-SP), quando soube que o documento tinha sido protocolado, com 175 assinaturas, liderou um movimento para esvaziar o pedido. São necessárias 171.

Augusto disse já ter convencido seis parlamentares a retirarem suas assinaturas, entre as quais Tabata Amaral (PDT-SP) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). Mas continua sua saga. O objetivo é retirar o apoio de deputados para “respirar tranquilo”.

Ele disse que conversou com Alexandre Frota (PSDB-SP), que estaria inclinado a tirar seu nome da lista. E abordou outros sete.

Capitão Augusto é o coordenador da Bancada da Bala, relator do pacote das medidas de Moro para combate ao crime e interlocutor diário do ministro.

Continua após a publicidade

O deputado tem mantido Moro a par desse movimento de retirada de assinaturas e a cada sucesso obtido comunica ao ministro.

O parlamentar está indignadíssimo com o governo, que não se mobilizou para evitar essa CPI e nem o está ajudando em esvaziá-la.

“O governo que deveria estar fazendo esse corpo a corpo. Inacreditável isso. Não é possível que o governo não estava sabendo dessa CPI nos bastidores, e não se mobilizou antes. Não vi um movimento do governo. Tem gente que assinou isso aí e nem sabia. São essas assinaturas colhidas nos corredores e de qualquer jeito”.

Perguntado qual a reação de Moro quando soube por ele da CPI, e como está se sentindo, Augusto respondeu:

“Não posso falar. Mas ninguém sai comemorando a instalação de uma CPI contra si mesmo”.

Pelo regimento, quando um pedido de CPI é protocolado não se pode mais retirar assinatura. Mas, acredita o capitão Augusto, que se o signatário solicitar a retirada em até 24 horas após o protocolo, tem que ser aceito.

Continua após a publicidade
Publicidade