Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ministros do STF avaliam com cautela citação a Bolsonaro no caso Marielle

Por ter foro privilegiado, a menção ao nome do presidente poderia levar investigações para o Supremo

Por Mariana Muniz - Atualizado em 29 out 2019, 21h47 - Publicado em 29 out 2019, 21h36

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avaliam com cautela a menção ao nome do presidente da República, Jair Bolsonaro, nas investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018.

Reportagem do Jornal Nacional desta terça-feira mostrou que um dos envolvidos na morte da vereadora anunciou na portaria que iria para casa de Bolsonaro, mas foi para a de Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos.

Pelo fato de o presidente ter foro privilegiado, a menção ao nome dele poderia levar as investigações sobre o assassinato de Marielle para o Supremo. Integrantes do STF ouvidos reservadamente afirmam, contudo, que ainda não está claro se a Procuradoria-Geral da República (PGR) vai abrir uma investigação contra o presidente.

Segundo a mesma reportagem do Jornal Nacional, os registros da Câmara dos Deputados mostram que Bolsonaro — à época deputado federal — estava em Brasília na data em que Marielle foi assassinada. A defesa do presidente rechaçou qualquer ligação feita entre o nome do presidente e os acusados de assassinarem a vereadora.

Continua após a publicidade

 

Publicidade