Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ministro nega acesso antecipado ao Enem e tenta explicar fala de Bolsonaro

Titular da pasta da Educação, Milton Ribeiro presta esclarecimentos em comissão da Câmara nesta quarta

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 17 nov 2021, 13h23 - Publicado em 17 nov 2021, 13h22

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, teve que ir à Câmara dos Deputados nesta quarta-feira para explicar a crise em torno da realização da prova do Enem neste ano. No início do mês, 37 servidores do Inep envolvidos no exame pediram exoneração, gerando rumores sobre possíveis ingerências superiores no processo.

Para piorar, Jair Bolsonaro disse nesta segunda, durante visita a Dubai, que “questões absurdas do passado” não cairão mais na prova e que o Enem “começa a ter a cara do governo”. A fala desencadeou suspeitas de que o presidente ou seu ministro da Educação pudessem ter tido algum acesso ou influência sobre o conteúdo a ser aplicado aos alunos.

Ribeiro negou nesta quarta na Câmara conhecer a prova. O auxiliar tentou explicar a fala de Bolsonaro dada milhares de quilômetros de distância em um outro continente. “Num primeiro momento creio que causou um pouco ou talvez muita apreensão a frase do presidente da República, que disse que o Enem tem a cara do governo. Tem a cara, sim, do governo. Em qual sentido? O da competência, da honestidade, da seriedade. Essa é a cara do governo. Nós não temos nenhum ministro preso e nenhum caso de corrupção”, disse, provocando um burburinho na sala.

Publicidade