Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Marco Aurélio critica decisão de ministro do STJ que afastou Witzel

'Não tenho a menor dúvida de que houve uma precipitação', disse Mello em entrevista

Por Mariana Muniz Atualizado em 31 ago 2020, 13h43 - Publicado em 31 ago 2020, 13h14

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, criticou a decisão do ministro Benedito Gonçalves, do STJ, que afastou do cargo por 180 dias o governador do Rio, Wilson Witzel. A decisão, segundo ele, foi “precipitada” — afastando em uma “penada única” o chefe do poder Executivo eleito.

“O que houve, a meu ver, e peço que é hora de percebemos um pouco mais o colegiado, foi uma penada única que aplicou o afastamento do chefe do poder Executivo do Rio de Janeiro eleito. Eleito pelos eleitores do Rio de Janeiro. Isso realmente não implica avanço cultural. O desejado teria sido o crivo, pelo menos, do colegiado”, afirmou o ministro do STF em entrevista à Rádio Gaúcha nesta segunda-feira.

Na avaliação do ministro Marco Aurélio, o desejável seria o afastamento numa simetria com o que ocorre na Constituição Federal com o presidente da República. “Mas, de qualquer forma, houve o ato do colega e está aí no cenário e paciência”.

Questionado se a decisão de Benedito Gonçalves foi incorreta, o ministro disse não ter “a menor dúvida de que houve uma precipitação. O direito é orgânico e dinâmico, e na organização do direito é que está a segurança jurídica”.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine
Continua após a publicidade
Publicidade