Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Manifestação pró Bolsonaro na Av. Paulista tem até bandeira neonazista

Radicais estenderam a bandeira do Pravyy Sektor no alto de carro de som

Por Manoel Schlindwein - Atualizado em 26 Maio 2020, 10h57 - Publicado em 26 Maio 2020, 07h00

Nas manifestações pró Bolsonaro que agitam a Av. Paulista, já não basta mais entoar o hino nacional, rezar de joelhos ou tirar fotos com réplicas de antigas viaturas da tropa de choque da polícia militar. No domingo, penúltimo dos seis dias do feriadão imposto às pressas para evitar a disseminação do coronavírus, a novidade foi a presença da bandeira de um grupo radical de extrema direita europeu.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Em meio aos manjados cartazes pedindo a saída dos presidentes do Senado e da Câmara, do governador João Doria, do prefeito Bruno Covas e do STF, tremulou a bandeira do Pravyy Sektor, o Setor Direito, uma coalização de grupos de extrema direita e de ultranacionalistas ucranianos.

A bandeira rubro-negra apareceu no alto de um trio-elétrico que ocupava uma das faixas da avenida, diante do prédio da FIESP. Pelos vídeos que circulam nas redes sociais, é possível observar que ela foi desfraldada no momento em que os manifestantes entoavam a segunda parte do hino nacional brasileiro, logo após a passagem de uma ambulância – a região conta com 15 hospitais. No domingo, o país registrou 22.746 mortes e 365.213 casos confirmados de covid-19.

Em um dos vídeos, é possível ouvir a voz daquele que seria o dono da bandeira: “Aquela bandeira é minha. Eu moro na Ucrânia e aquela bandeira é a bandeira da guerra da Ucrânia”.

Na Ucrânia, o grupo é conhecido pela violência praticada pelos seus integrantes. Muitos deles chegam a usar tacos de baseball para fazer a “segurança” da capital Kiev.

Continua após a publicidade
Publicidade